Pesquisadores encontraram um fóssil de uma árvore que viveu há cerca de 280 milhões de anos em Altos, cidade a 40 km de Teresina, no Piauí. Com essa idade, a planta viveu na Era Paleozoica, sendo anterior ao surgimento dos dinossauros na Terra e, até mesmo, à divisão de continentes.

O fóssil do tronco tem aproximadamente duas toneladas e é o segundo maior do tipo já encontrado no sítio paleontológico Parque Floresta Fóssil, informou a matéria do G1.

Leia também:

Apesar de pesquisadores fazerem o monitoramento do local frequentemente, a árvore fossilizada tinha passado despercebida. Isso porque ela está em uma mata de cocais, dificultando sua localização. No entanto, essa “pedra comum” chamou atenção dos cientistas na última quinta-feira, 23.

publicidade

Olhando em seção você pode ver que ele é circular e tem anéis de crescimento, significa que ele foi uma árvore. De lado é possível ver um pouco da antiga casca e a direção do crescimento da lenha.

Juan Cisneros, professor de paleontologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e PhD em Geociências

Origem

Segundo Cisneros, um conjunto de fatores explica a origem de um fóssil desse tipo. Normalmente, a árvore morre por conta de fungos e pela degradação provocada por animais. No entanto, para que ela possa passar pelo processo de fossilização, ela deve ficar coberta por lama.

Nesse caso, a lama impede que a árvore apodreça. Porém, para ela virar um fóssil, essa lama deve ser rica em sílica, um mineral abundante na Terra. Dessa forma, aos poucos a sílica se dilui na lama, entra nas células da árvore e substitui a água pelo mineral – um processo que demora milhares de anos.

Esse incrível processo de fossilização ocorreu em outras árvores do Parque Floresta Fóssil, em Teresina. Segundo um levantamento feito em 2016, Cisnero disse que há mais de 70 troncos petrificados no local.