Quando pensamos em uma possível colonização de Marte, vem a mente a necessidade levar comida e recursos para a sobrevivência da humanidade, mas um elemento fundamental para tornar o Planeta Vermelho um local menos inóspito normalmente fica esquecido da equação: os insetos.

O que você precisa saber?

  • O solo de Marte pode se tornar mais fértil com insetos;
  • Uma pesquisa analisou a viabilidade disso;
  • Os futuros astronautas podem contar com a ajuda do substrato desses animais.

Uma pesquisa da Texas A&M University testou a importância desses animais no cultivo de plantas em um solo inóspito que imita o presente em Marte. Para tornar o solo fértil e permitir o crescimento da vegetação, os cientistas adicionaram um fertilizante natural, que consiste em resíduos deixados depois que as larvas da mosca-soldado negro terminam de comer e digerir.

O objetivo da pesquisa era investigar se o excremento e os insetos que o criaram poderiam algum dia ajudar os astronautas a cultivar alimentos e gerenciar resíduos em Marte. Isso é algo de extrema importância já que uma viagem até o planeta tende a ser longa e a quantidade de comida necessária para alimentar os tripulantes durante a estadia no planeta pode ser bem grande.

Cultivo das plantas em solo padrão e no solo simulando Marte (Imagem: Emanuel Mendonza)

“Não podemos levar tudo conosco”, disse Lisa Carnell, diretora da Divisão de Ciências Biológicas e Físicas da NASA ao The New York Times. A solução nesse caso é justamente plantar no Planeta Vermelho. Isso, entretanto, exige elementos que não existem por lá, desde um terreno fértil, até raios de sol e água (entre outras coisas).

publicidade

É aí que a pesquisa entra em ação, os insetos, como as moscas-soldados negros, e os microrganismos mantêm esses sistemas ecológicos em funcionamento. Esses insetos podem ajudar os “jardins marcianos” a serem um pouco menos hostis. 

“Eles são comedores muito vorazes”, disse Hellen Elissen, pesquisadora da Universidade e Pesquisa de Wageningen, na Holanda. “Eles comem quase tudo.” E se você alimentá-los bem, eles farão muito lixo.

Leia mais:

Mas o que alimentaria os insetos em Marte?

Ok, as moscas podem gerar resíduos ao serem alimentadas, mas como alimentar esses animais? Se pensarmos em uma estadia de longa duração, será necessário um sistema completo e autossuficiente e ele não pode parar caso acabe o alimento das larvas. Por isso, os pesquisadores também focaram nisso. 

As larvas poderiam comer os resíduos alimentares dos astronautas e produzir excrementos para fertilizar o solo alienígena ruim, que poderia então produzir plantas alimentícias. Então, as próprias larvas poderiam ser transformadas em uma fonte de proteína, que os astronautas – ou os animais que eles trouxessem consigo – poderiam consumir. 

Há este sistema em que os humanos alimentam as moscas, as moscas alimentam as plantas e os animais, as plantas e os animais alimentam os humanos

Emmanuel Mendoza, estudante de graduação na Texas A&M University

Mas excrementos não são tudo. Muitos tipos de resíduos podem ser danosos para as plantas, então também é necessário um equilíbrio para favorecer a germinação e isso foi feito na pesquisa misturando diferentes tipos de substratos. Tarefa que vai ter que ser feita pelos futuros astronautas caso o projeto vá adiante.

O principal alimento testado no estudo foram as ervilhas, e elas se saíram bem no “solo marciano turbinado”. “As ervilhas têm um desempenho semelhante tanto no solo marciano quanto na mistura para vasos”, disse Noah Lemke, outro membro da pesquisa.

Claro, isso é só o começo. Ainda faltam mais pesquisas para que o sistema se torne realmente eficiente e outros tipos de alimentos precisam ser testados (afinal os astronautas não podem viver de ervilhas), mas o projeto é promissor.