Um trio de empresas desenvolvedoras de jogos anunciou na terça-feira (5) uma nova rodada de demissões. As companhias, que inclui a New World Interactive, da Embracer Group, a independente Tinybuild e a conhecida Codemasters, da Eletronic Arts (EA), fizeram anúncios separados com distintos motivos para os cortes, no entanto, enxugar gastos é a base para a decisão de todas. 

O que você precisa saber: 

  • As desenvolvedoras não deram o número exato de funcionários demitidos; 
  • A New World Interactive garantiu apenas que o trabalho com Insurgency: Sandstorm continuará — rumores apontam que a companhia pode, na verdade, estar prestes a encerrar todas as atividades; 
  • Já a independente Tinybuild justificou a decisão com seus planos de reestruturação e corte de gastos — o objetivo do momento no mercado de tecnologia; 
  • A Codemasters, uma das desenvolvedoras de jogos de corrida mais renomadas do mundo, disse que as demissões vêm após a organização definir novas prioridades. Segundo um porta-voz da EA, houve “mudanças organizacionais em pequena escala para alinhar nossas equipes e recursos para atender às necessidades e prioridades de negócios em evolução”. 

Leia mais! 

A Codemasters, comprada pela EA em 2021, é responsável por títulos como Dirt F1. A desenvolvedora não comentou se os cortes afetarão projetos. 

publicidade

O mesmo não pode ser dito pela Sabre Interactive, dona da New World Interactive e também controlada pela Embraer. O grupo realizou cortes em massa em junho, cancelando diversos projetos. 

As demissões se unem a um elevado número de cortes não apenas na indústria de jogos, mas no setor tecnológico geral. No mês passado, a Ubisoft demitiu quase 100 pessoas, isso após já ter reduzido em 16% de sua força de trabalho. Desde janeiro, a desenvolvedora de Far Cry e Assassin’s Creed vem cortando custos e adiando jogos. 

Conforme lembrou o Engadget, o primeiro semestre do ano também viu demissões da CD Projekt Red, entre outros. A Epic Games fez corte recentes.