Cientistas da NASA observaram evento raro no qual a atmosfera de Marte quase dobrou de tamanho devido à ação do vento solar. Normalmente, cerca de 110 g da atmosfera de Marte são empurrados para o Espaço a cada segundo pelo vento solar.

No entanto, durante dois dias em dezembro de 2022, uma parte desse vento foi embora, fazendo com que a atmosfera do lado voltado para o Sol do planeta inchasse cerca de quatro vezes seu tamanho normal. Esse evento incomum foi registrado pela sonda MAVEN, da NASA, que observa a atmosfera de Marte e sua resposta ao comportamento do Sol desde 2014.

publicidade

Leia mais:

Conforme o Space.com, o evento ocorreu quando uma região de vento solar em movimento rápido ultrapassou uma região mais lenta, varrendo seu material e deixando para trás uma área escassa. A “tempestade esvaziada” atingiu Marte em 25 de dezembro de 2022, permitindo que os cientistas observassem de perto o inchaço da atmosfera do Planeta Vermelho.

publicidade

Influência dos eventos solares em Marte

  • Essa situação sem precedentes proporcionou aos pesquisadores oportunidade única de estudar como eventos solares extremos — e sua ausência — influenciam a atmosfera de Marte, o que pode ser útil para entender a evolução do planeta e outros semelhantes à Terra fora do nosso Sistema Solar;
  • A equipe responsável pela missão MAVEN acredita que eventos como esse eram comuns durante a evolução inicial de Marte, há cerca de três a quatro bilhões de anos, quando o Sol era mais intenso e podia gerar tempestades solares com mais frequência;
  • Esses eventos provavelmente contribuíram para o ressecamento de Marte, planeta que se acredita já ter tido água líquida e condições favoráveis à vida;
  • A análise dos dados coletados pela MAVEN pode fornecer informações sobre a erosão da atmosfera de Marte ao longo do tempo e ajudar a determinar a rapidez com que o planeta se tornou seco.

Apesar de a atmosfera de Marte ter voltado ao seu estado original dois dias após o evento, a equipe da MAVEN espera que eventos semelhantes ocorram nos próximos dois anos, à medida que a atividade solar aumentar.

Essas informações são importantes para entender como as atmosferas de planetas interagem com suas estrelas hospedeiras, o que pode ter implicações para a busca por planetas habitáveis fora do nosso Sistema Solar.