Na última semana a NASA anunciou que o rover Perseverance alcançou a marca de 1000 dias marcianos em operação e que todas as suas tarefas foram cumpridas. No entanto, a jornada do veículo não terminou, agora ele partirá para uma missão bônus, onde continuará investigando a superfície de Marte.

Durante a missão inicial, o rover perseverance trabalhou no interior da cratera Jezero, próximo ao delta de um antigo rio, coletando pedras e o solo marciano. Ao todo, foram coletados 10 tubos cheios de amostras lançados no chão para serem coletados em uma missão futura, a Mars Sample Return (MSR), prevista para ser lançada em 2030.

  • A missão bônus terá início na primavera do hemisfério norte e elevará o rover ao longo da borda da cratera ou até mais além. 
  • Para deixar Jezero, o rover terá que percorrer cerca de 4 quilômetros desde sua posição atual até o início do seu caminho de saída. 
  • A ideia é investigar rochas ainda mais antigas e preencher os 13 tubos de amostras restantes a bordo do veículo espacial.

Os pesquisadores acreditam que as águas subterrâneas nessa nova região a ser investigada pelo rover interagiram com as rochas, criando um cenário completamente diferente do interior da cratera.

Vista da cratera de Jezero(Crédito: NASA/JPL-Caltech/ ASU/MSSS)
Vista da cratera de Jezero(Crédito: NASA/JPL-Caltech/ ASU/MSSS)

Leia mais:

publicidade

Investigações do Perseverance

As amostras coletadas até agora têm ajudado cientistas a entender como a cratera Jezero, outrora inundada por um rio de longa duração, se tornou o deserto cheio de pedras encontrado pelo Perseverance.

Além disso, de acordo com a NASA, as investigações realizadas pelos instrumentos do Perseverance indicaram a presença de materiais carbonáticos e fosfato de ferro na cratera, substâncias que poderiam ter ajudado a vida a prosperar no local. A sílica descoberta também poderia preservar quaisquer moléculas orgânicas antigas e impedir sua degradação, mas nada ainda foi encontrado.

Missão de retorno das amostras

Uma análise robusta feita com instrumentos robustos na Terra irá permitir que mais detalhes sobre as amostras coletadas pelo rover sejam revelados. No entanto, a MSR tem encontrado alguns problemas, isso porque a missão é excessivamente cara e ainda não tem todos os detalhes definidos.

Um desses impasses é justamente devido à missão bônus. Na MSR, o Perseverance depositará as amostras armazenadas em seu interior num módulo de pouso, que as enviará para a órbita marciana. Um orbitador irá recolher o material e enviá-lo para a Terra. 

No entanto, o local exato onde o módulo e o rover irão se encontrar ainda não foi definido. Isso porque, na década de 2030, o Perseverance estará muito longe do estoque inicial de amostras no fundo da cratera. As opções são pousar o módulo próximo de onde o Perseverance estiver, ou fazer com que o rover retorne para a cratera.