Pesquisadores das universidades de Utah e Columbia, ambos nos EUA, vêm analisando a evolução das concentrações de dióxido de carbono (CO₂) com o passar dos milênios e os efeitos provocados no clima da Terra.

O CO₂ está, atualmente, em sua maior concentração na atmosfera, com contagem de 419 ppm (partes por milhão), o que só piora a situação de nosso planeta.

Leia mais:

A pesquisa realizada pelos cientistas de Utah e Columbia visa descobrir se é a primeira vez que a concentração de CO₂ chega a esse nível. Para tanto, eles criaram o Projeto de Integração de Proxy de Dióxido de Carbono Cenozoico (CenCO2PIP), em tradução livre.

publicidade

Maior rememoração terrestre

  • Segundo o ZME Science, no estudo, os cientistas explicam ser possível medição direta do CO₂ existente em diferentes eras;
  • Isso se dá a partir da análise de quantidades de bolhas de ar existentes em amostras extraídas de geleiras;
  • Mas essa técnica é limitada, já que podemos voltar “apenas” 800 mil anos no tempo, pois é quando as geleiras “acabam”;
  • Outro método existente se dá pela análise de isótopos e materiais orgânicos em camadas inferiores;
  • Esse sistema é conhecido como proxy e é feito indiretamente, além de ser menos preciso;
  • Para que os dados que a equipe de pesquisa está coletando sejam bem-estruturados, eles querem voltar (bastante) no tempo: 66 milhões de anos.

Os primeiros dados da análise dão conta de que a concentração de CO₂ pode ter chegado a 1,6 mil ppm no período Cenozoico, sendo que teria diminuído com o passar do tempo e chegado aos 270 ppm no período Pleistoceno.

Como era de se imaginar, com a revolução industrial, que se iniciou na metade do século XVIII, e as indústrias existentes no século XXI, fez com que o nível de concentração atual de CO₂ (419 ppm) chegasse a maior marca em 14 milhões de anos.

Previsão e prevenção

A partir do estudo dos 66 milhões de anos, os pesquisadores esperam compreender e prever melhor o futuro do planeta e do ser humano, se as promessas de diminuição da produção dos gases que causam o efeito estufa não forem cumpridas.

Hoje, a expectativa é que a concentração de CO₂ chegue a 600 ppm a 1000 ppm até 2100, o que mostra que estudos, como o realizado pela CenCO2PIP, são de mais-valia para prevenirmos e salvarmos a nós e nossa casa, criando estratégias e mitigando mudanças climáticas e o efeito estufa.

Os dados preliminares do estudo foram publicados na Science.

O que é CO₂?

O dióxido de carbono, ou CO₂, é um dos gases que mais causam o efeito estufa. Ele é gerado a partir da queima de combustíveis fósseis, como petróleo, carvão mineral e mesmo o gás natural.

Por isso, entender como ele vem se acumulando na Terra durante as eras é essencial.