A equipe de exploradores que diz ter encontrado os destroços da aeronave da americana Amelia Earhart, que desapareceu misteriosamente na década de 1930, divulgou imagens da expedição nas redes sociais.

A conta oficial da empresa Deep Sea Vision no X (antigo Twitter) mostrou parte do trabalho dos profissionais, que utilizaram um sistema de sonares para identificar o objeto – quase intacto – nas profundezas do Oceano Pacífico.

O diretor-executivo da companhia é o ex-piloto e oficial de inteligência da Força Aérea americana Tony Romeo, que gastou US$ 11 milhões (R$ 54 milhões) para realizar essa missão.

Leia mais

publicidade

Quem foi Earhart

  • A aviadora americana Amelia Earhart ficou famosa na década de 1930 por ser a primeira mulher a pilotar um avião e atravessar o Oceano Atlântico.
  • Em 1937, ela tentou algo ainda mais ambicioso: dar a volta ao mundo pelo ar.
  • O plano corria bem até julho daquele ano, quando ela e o navegador Fred Noonan simplesmente desapareceram e nunca mais foram encontrados.
  • Esse se tornou um dos casos mais famosos de desaparecimento nos EUA – um mistério que durou décadas.
  • Em seu último trecho, Amelia sobrevoou o Oceano Pacífico, entre a Austrália e o estado do Havaí, nos EUA.
  • Ela deveria passar por Howland, uma pequena ilha no meio do caminho, mas não chegou lá.
  • Dois anos depois, em 1939, Amelia e Fred foram declarados mortos.
  • Os investigadores concluíram que eles haviam caído em algum ponto do Oceano Pacífico.
  • A aeronave e os corpos, porém, nunca foram encontrados.
  • Isso até agora…

Convicção do explorador

Tony Romeo diz acreditar que se trata mesmo do Lockheed Electra de Earhart por dois motivos principais:

  • a localização da aeronave: segundo ele, não há registro de outros aviões que tenham caído nessa região, que fica a cerca de 161 quilômetros a oeste da Ilha Howland, entre a Austrália e o Havaí.
  • E o segundo motivo é o contorno do avião encontrado no fundo do mar: as imagens mostram uma aeronave quase intacta de um modelo parecido com os que existiam naquela época.

A equipe de Romeo deve retornar ao local ainda neste ano com uma câmera submarina para confirmar que se trata mesmo dos restos da aeronave de Amelia Earhart.

O Olhar Digital acompanha.