Cientistas descobriram recentemente que o Alienacanthus, um antigo peixe, pode ser um dos candidatos à mordida mais extrema da natureza. Seu primeiro fóssil conhecido foi descoberto na Polônia, em 1957. A inspiração para o nome “alienígena” veio do grande conjunto de espinhos no que, até então, pareciam ser nadadeiras.

Agora, uma nova análise revela que esses “espinhos” eram, na verdade, uma grande mandíbula alongada e repleta de dentes. Segundo um estudo recente publicado na revista Royal Society Open Science, esta pode ser uma das mais longas mordidas inferiores já registradas.

Leia mais:

As novas descobertas esclarecem a aparência real deste animal, já que ele não tem uma espinha dorsal estranha, mas uma mandíbula inferior bastante única

Melina Jobbins, autora do estudo e paleontóloga da Universidade de Zurique em Suíça ao WordsSideKick.com

Resumo do estudo

Para saber mais, os pesquisadores analisaram dois crânios quase completos descobertos no Marrocos. Eles logo perceberam que a longa protuberância que se projetava da cabeça do Alienacanthus era uma mandíbula inferior — e tinha o dobro do tamanho do crânio do indivíduo.

publicidade

Os pesquisadores compararam o Alienacanthus com espécies modernas com mandíbulas incompatíveis, como o peixe-espada, por exemplo, para formular hipóteses principais sobre como esses peixes podem ter aproveitado sua mordida.

“A mais convincente para nós é a primeira hipótese, a de capturar presas vivas”, disse Jobbins. “Os dentes apontando para trás evitam que a presa escape da boca”.

O crânio fossilizado de Alienacanthus. (Crédito da imagem: Reprodução/Melina Jobbins e Christian Klug)

Quem é o Alienacanthus?

  • O Alienacanthus é um placoderme, um grupo de peixes blindados que inclui alguns dos primeiros vertebrados com mandíbula.
  • Sua mandíbula superior podia mover-se independentemente do crânio, o que ajudava a acomodar a sua longa mandíbula inferior.
  • “Este animal é tão único que todo o mecanismo da mandíbula teve que funcionar de maneira um pouco diferente para acomodar a mandíbula inferior”, acrescentou Jobbins.

Quando viveu?

O Alienacanthus viveu durante o período Devoniano (419 milhões a 358,9 milhões de anos atrás), quando a terra foi separada em dois supercontinentes.

Desde a descoberta inicial, vários fósseis foram encontrados nas montanhas do que hoje é o centro da Polónia e Marrocos — situados nas costas nordeste e sul, respectivamente, quando estes peixes antigos existiam.

Agora, os investigadores estão estudando o Alienacanthus para compreender melhor como era a mecânica da sua mandíbula e do resto do seu corpo. As informações são do The Conversation.