Conhecido por abrigar o polo sul do planeta terra, o continente antártico é o quinto maior do mundo e abriga uma grande variedade de espécies. Porém, uma espécie nunca fincou suas raízes no continente gelado. Sendo assim, como é a ocupação humana da Antártica?

Leia mais:

A Antártica é um continente gelado e remoto no Hemisfério Sul, esta vasta extensão cobre aproximadamente 20% do Hemisfério Sul e é o quinto maior continente do mundo, superando Oceania e Europa em tamanho. A geografia física da Antártica é dominada pela gigantesca Calota de Gelo Antártica, a maior massa única de gelo na Terra. Essa calota de gelo se estende além do continente durante os meses extremamente frios do inverno, cobrindo uma área de cerca de 19 milhões de quilômetros quadrados.

Humanos na Antártica?

Ao contrário de outros continentes, a Antártica não possui população nativa e nenhum país a reivindica como território próprio. Antes do Tratado Antártico de 1959, sete nações haviam feito reivindicações territoriais na região, mas o tratado não reconheceu legalmente essas alegações, estabelecendo que a ocupação humana da Antártica seria dedicada à paz e à ciência.

publicidade

Sendo assim, a presença humana na Antártica é predominantemente científica. Enquanto o continente não tem residentes permanentes, ele abriga uma população temporária de cientistas de várias nacionalidades, trabalhando em pesquisas variadas. Durante o ano, o número de cientistas varia de aproximadamente 1.000 no inverno a 5.000 no verão, concentrados em estações de pesquisa como a McMurdo, dos EUA, a Base Esperanza, da Argentina e os brasileiros da Estação Antártica Comandante Ferraz.

Estação brasileira de pesquisas na antártica comandante Ferraz

A vida nessas estações é única e desafiadora, com instalações que vão desde laboratórios de pesquisa de última geração até dormitórios e lojas, muitas vezes operando como pequenas cidades. A logística de abastecimento é complexa, com navios trazendo mais de cinco milhões de quilos de suprimentos anualmente, e aviões transportando pessoal e suprimentos adicionais.

A importância da Antártica na compreensão dos processos globais é evidente nas diversas disciplinas científicas estudadas no continente. Geógrafos mapeiam a topografia única da Antártica, meteorologistas investigam padrões climáticos extremos, e climatologistas usam núcleos de gelo para rastrear a história climática da Terra. Além disso, biólogos marinhos estudam a rica diversidade da vida marinha em torno da Antártica, enquanto astrônomos aproveitam o interior do continente para observações celestiais nítidas.

O Tratado Antártico de 1959 foi um marco geopolítico significativo, criando regras para a ocupação humana da antártica, proibindo atividades militares e estabelecendo a Antártica como uma reserva para a ciência pacífica. Este tratado foi seguido por acordos adicionais que abordam questões ambientais, como poluição e conservação de animais. As reuniões anuais do Comitê Consultivo do Tratado Antártico (ATCM) proporcionam um fórum para decisões sobre o futuro da região, com 28 estados-membros discutindo e tomando decisões.

Contudo, desafios contemporâneos como as mudanças climáticas e o turismo crescente estão pressionando a região. O turismo antártico aumentou consideravelmente na última década, levando a preocupações ambientais. O ATCM tem trabalhado para regulamentar o turismo, implementando restrições e regulamentos para minimizar o impacto ambiental.

O futuro da ocupação humana na Antártica está intrinsecamente ligado à sustentabilidade e à compreensão das mudanças globais. À medida que o mundo enfrenta desafios ambientais, a Antártica continua a servir como um laboratório natural único, oferecendo insights cruciais para a compreensão e mitigação dos impactos das atividades humanas no planeta.