O Governo de São Paulo anunciou o bloqueio de aplicativos e plataformas de redes sociais, como Instagram, Facebook e TikTok, e streamings pela internet Wi-Fi e cabeada em ambientes escolares. A medida passa a valer a partir deste segunda-feira, 5 de fevereiro, e visa otimizar o uso da infraestrutura pedagógica.

Leia mais:

Bloqueio de apps na rede escolar

Em nota ao g1, a Secretaria da Educação comunicou que o objetivo da suspensão do acesso aos apps é “otimizar o uso de infraestrutura tecnológica para o desenvolvimento pedagógico dos estudantes”.

Ainda, afirmou que o uso das redes sociais e streamings sem fins educativos já é restrito desde 13 de fevereiro do ano passado em salas de aula. Agora, passa a contemplar também ambientes administrativos via cabo de rede (já era restrito via Wi-Fi).

publicidade

Veja a lista de apps restritos:

  • TikTok (rede social de vídeos);
  • Kwai (rede social de vídeos);
  • Facebook (rede social);
  • Instagram (rede social);
  • Globoplay (streaming);
  • Roblox (jogo);
  • Netflix (streaming);
  • Prime Video (streaming);
  • X (antigo Twitter) (rede social);
  • Twitch (plataforma de vídeos ao vivo);
  • HBO Max (streaming);
  • Disney+ (streaming);
  • Steam (plataforma de download de jogos).

Uso pedagógico

A discussão do uso de aparelhos celulares em salas de aula não é de hoje. Enquanto alguns educadores defendem que os aparelhos podem ser importantes para a divulgação de informações e pesquisa, além de um mecanismo no processo de aprendizado, outros se preocupam que o uso pode atrapalhar o desempenho escolar. Ainda, defendem que o espaço escolar é destinado à socialização.

(Imagem: Ground Picture/Shutterstock)

Outros casos do Governo de SP

Em agosto do ano passado, um aplicativo da Secretaria da Educação foi instalado sem autorização em celulares de pais, alunos e professores da rede, o que impediu o acesso a outras plataformas. Professores relataram não conseguir acessar o e-mail institucional e o Google Classroom, plataforma destinada a passar conteúdos relacionados a aula. O Olhar Digital reportou o caso aqui.

Questionado, o governo de SP revelou que a decisão da suspensão de acesso desta segunda-feira não tem relação com o caso anterior.

Na época, a Secretaria afirmou ter instaurado um processo administrativo para apurar a instalação não consentida.