Astrônomos da Universidade Curtin, na Austrália, anunciaram a descoberta de um novo remanescente de supernova (SNR) a uma distância de aproximadamente 3.300 anos-luz da Terra

Com estimados milhares de anos de idade, o SNR recém-descoberto, denominado G321.3-3.9, tem uma forma elíptica. Detalhes como esses e outros sobre a descoberta foram divulgados em um artigo publicado no servidor de pré-impressão arXiv, que aguarda revisão por pares.

Imagem composta do remanescente de supernova G321.3–3.9. Crédito: Mantovanini et al., 2024.

SNRs são estruturas expansivas e difusas formadas após a explosão de uma supernova. Eles consistem em material expelido pela explosão e em outros elementos interestelares varridos pela onda de choque resultante.

Leia mais:

publicidade

Importância da detecção de remanescentes de supernovas

Estudar esses remanescentes é crucial para os astrônomos, pois eles desempenham uma função importante na evolução das galáxias, espalhando elementos pesados produzidos na explosão e aquecendo o meio interestelar. Além disso, acredita-se que os SNRs tenham um papel na aceleração dos raios cósmicos galácticos.

O G321.3-3.9 foi identificado como um possível SNR em 1997. Observações anteriores revelaram que ele possui uma forma elíptica quase completa, com dimensões aproximadas de 109×64 minutos de arco², um pico de fluxo de 10 mJy/feixe e uma densidade de fluxo total integrado superior a 0,37 Jy.

Liderados por Silvia Mantovanini, os autores do novo estudo realizaram uma análise detalhada de dados de rádio e raios-X de várias fontes, incluindo a espaçonave Spektr-RG. Essa análise confirmou que o G321.3-3.9 é, de fato, um SNR.

Os dados revelaram uma estrutura estendida em baixas energias de raios-X cercada por uma camada de rádio, sem emissão difusa no infravermelho. O índice espectral da fonte sugere uma emissão de síncrotron não térmico consistente com um SNR do tipo concha.

Com base nas observações, os pesquisadores estimam que o G321.3-3.9 está localizado entre 2.300 e 3.300 anos-luz de distância, com um diâmetro de aproximadamente 62 a 97 anos-luz e uma idade entre 1.700 e 4.000 anos. No entanto, as incertezas persistem devido à limitação estatística dos dados de raios-X e à falta de associação com um pulsar conhecido na região.

Os cientistas planejam realizar mais observações para procurar uma possível associação com pulsares, o que poderia fornecer informações adicionais sobre a idade, a distância e a velocidade de expansão do G321.3-3.9.