Os relâmpagos (particularmente, aqueles associados a atividades vulcânicas) podem ter sido extremamente importantes para a disponibilidade de elementos essenciais como o fósforo e o nitrogênio para a vida na Terra primitiva. Pelo menos, é o que apontam cientistas liderados por Adeline Aroskay, da Universidade Sorbonne, na França.

Em um estudo recente, publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences, eles registraram evidências geológicas de nitratos em depósitos vulcânicos. Isso permitiu deduzir que erupções explosivas antigas podem ter contribuído significativamente para a fixação de nitrogênio.

Leia também:

A Terra tem muito nitrogênio (cerca de 78% da atmosfera é composta dessa substância). Mas a biologia não consegue acessá-lo na sua forma atmosférica de nitrogênio molecular, ou N2. Os átomos de nitrogênio precisam ser separados e fixados a outros átomos para formar compostos mais reativos, como nitratos ou amônia (essenciais para a construção de proteínas, aminoácidos e ácidos nucléicos).

publicidade

Choque de vida na Terra primitiva

Antes da existência de vida em nosso planeta, a fixação de nitrogênio dependia de processos abióticos, entre os quais as descargas elétricas (relâmpagos) se destacavam. Com isso em mente, a equipe de Aroskay analisou amostras de depósitos vulcânicos antigos na Turquia e no Peru.

Ao longo dos trabalhos, os pesquisadores encontraram níveis significativos de nitratos que sugerem a fixação de nitrogênio durante grandes erupções. Este achado reforça que os relâmpagos vulcânicos podem ter desempenhado um papel importante no ciclo do nitrogênio antes da emergência da vida.

Conforme aponta o estudo, grandes eventos explosivos poderiam fixar aproximadamente 60 teragramas de nitrogênio, destacando o papel potencial das erupções vulcânicas na criação de condições favoráveis ao surgimento da vida. Essas descobertas não apenas ampliam nossa compreensão dos processos geoquímicos antigos mas também podem ajudar a interpretar depósitos de nitratos em outras partes do mundo, como no deserto do Atacama, onde a origem dos nitratos tem sido debatida.

Via ScienceAlert