Ter um carro com câmbio automático já foi considerado um luxo e também já foi alvo de críticas por apresentar mais problemas com a manutenção. Fato é que agora, os brasileiros estão cada vez mais interessados nesse tipo de veículo.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo QuatroRodas, entre janeiro e maio de 2022, seis em cada dez veículos vendidos no Brasil possuíam transmissão automática. No entanto, até pouco tempo atrás, a preferência nacional era por carros equipados com transmissão manual. Talvez por esse motivo, podemos listar uma série de erros que as pessoas cometem ao dirigir um carro com câmbio automático.

Leia mais:

Carro com câmbio automático é mais fácil de aprender do que o manual. No entanto, o contrário também pode ser verdade. O carro automático tem a direção facilitada, mas exige adaptação. E nessa transição, podemos repetir ‘vícios’ dos carros de câmbio manual ou cometer erros que custarão caro.

publicidade

1- Usar excessivamente a posição “N”

O uso excessivo da posição N no câmbio automático pode sobrecarregar os componentes da transmissão. 

A posição N (neutro) deve ser usada em paradas prolongadas, como em congestionamentos. O carro não se moverá, mas as rodas não ficam travadas. Se o carro estiver em uma rua inclinada, ele se moverá, exigindo que você use o freio de pé ou de mão. 

Não se deve dirigir em neutro, pois isso pode provocar acidentes, com risco de morte, e desgastar prematuramente os freios. Mudar a todo momento a posição da caixa sobrecarrega os componentes da transmissão prematuramente. 

Colocar o câmbio em neutro com o veículo andando é uma infração de trânsito. Além disso, impede que o câmbio automático seja lubrificado de forma adequada e pode causar danos irreversíveis ao sistema. 

Trocar a marcha no câmbio automático do “D” ou do “R” para o “N” ou para o “P” antes de o carro estar totalmente parado pode custar um alto investimento no reparo.

2- Dirigir com sobrecarga 

Dirigir constantemente com carga excessiva no veículo ou em condições severas, como subidas íngremes e terrenos acidentados, pode causar superaquecimento e sobrecarga no câmbio automático. 

Mudanças bruscas de marcha e acelerações rápidas também podem sobrecarregar o câmbio automático, levando a um desgaste prematuro. 

Para evitar problemas com o câmbio automático, você pode:

  • Não sobrecarregar o veículo além da capacidade recomendada pelo fabricante
  • Dirigir de forma suave e evitar pisar no acelerador desnecessariamente
  • Dar tempo para que as mudanças de marcha ocorram de forma suave e progressiva

3- Não engatar o D ou R com o veículo em movimento

Não se deve engatar o D ou R com o veículo em movimento. A mudança de marcha com o carro em movimento pode causar danos na caixa de transmissão e diminuir a vida útil do carro. 

Quando o veículo está em movimento, o câmbio permite o engate da marcha ré, mas o sistema interpreta essa ação como algo inseguro e deixa o carro no neutro. 

Além disso, se o câmbio for deslocado para Neutro com o carro rodando, o freio-motor não vai atuar, e o carro pode ficar desgovernado. 

Ao acelerar o veículo em posição N e trocando rapidamente para o D, esses componentes se desgastam prematuramente, podendo perder a fricção e fazendo a transmissão patinar quando estiver engatada. 

4- Segurar o carro no aclive com o acelerador

É um erro comum em carros manuais e automáticos. Esta prática prejudica a embreagem e, se for recorrente, fará com que o item tenha de ser trocado prematuramente. 

Em carros automáticos, segurar o carro no aclive com o acelerador também superaquece e desgasta os componentes do câmbio. 

Para evitar este erro, algumas transmissões também contam com a posição “L”, que indica Low. Esta posição é usada para manter o veículo em uma marcha mais forte, ideal para aclives muito íngremes.

5- Dirigir com baixo nível de fluido de transmissão

Um nível baixo de fluido de transmissão pode causar danos graves à transmissão, pois não haverá lubrificação adequada. A falta de óleo no câmbio automático pode causar sérios problemas ao sistema, inclusive apresentar falhas durante a condução. 

Alguns sintomas de falta de óleo no câmbio automático são:

  • Dificuldade na troca de marchas
  • Trocas bruscas, lentas ou imprecisas
  • Ruídos de pulsação, barulho de metal ou sons bruscos
  • Trancos no câmbio automático 

A recomendação para esse tipo de problema é trafegar o mínimo possível com o veículo e levar para a oficina o quanto antes para verificar isso. 

Manutenção em carro com câmbio automático
Imagem: Divulgação

Negligência do motorista, alegria do mecânico

Nesta dica, vale um adendo: carro com câmbio automático requer manutenção regular, assim como outros componentes mecânicos. Sem a manutenção devida, os câmbios automáticos podem falhar com menos de 50.000 km. 

O câmbio automático é o segundo componente mais caro para ser substituído em um veículo, perdendo apenas para o motor. 

O desgaste do câmbio pode acontecer por falta de manutenção. Com o tempo, os discos de fricção se desgastam e o lubrificante fica mais grosso e escuro, indicando que ele vai perdendo sua capacidade lubrificante. 

Câmbio bem cuidado e vida no piloto automático!

Por experiência própria, deixo a dica: siga as recomendações para fazer bom uso do seu câmbio automático, cuide da manutenção e aproveite uma dirigibilidade mais tranquila. Assim, terá menos estresse ao volante para encarar o trânsito, sem aquela sequência repetitiva e cansativa de pisar no freio, embreagem e siga sossegado. Seus joelhos e seu bolso agradecem