Nós do Olhar Digital e nossos parceiros utilizamos cookies, localStorage e outras tecnologias semelhantes para personalizar conteúdo, anúncios, recursos de mídia social, análise de tráfego e melhorar sua experiência neste site, de acordo com nossos Termos de Uso e Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

O Olhar Digital inicia nesta terça-feira (27) uma série de reportagens sobre construções icônicas. Semanalmente, você acompanhará duas matérias do especial Megaprojetos. Uma das atrações mais populares de Dubai, nos Emirados Árabes, abre a sequência: a ilha artificial Palm Jumeirah.

Leia mais:

Como é a ilha artificial de Dubai?

Com certeza você já viu alguma imagem desta ilha em algum lugar. A Palm Jumeirah, considerada uma das maravilhas da engenharia, foi um projeito do engenheiro brasileiro João Vicente Sparano e faz parte de um arquipélago artificial desenhado em formato de palmeira.

A ilha fica a 78 quilômetros de Dubai, na área costeira de Jumeirah, e faz parte de um dos maiores projetos de construção do mundo, com apartamentos, casas luxuosas, marinas particulares, hotéis renomados e mais.

Vista panorâmica da Palm Jumeirah durante o pôr do sol.
Vista panorâmica da Palm Jumeirah durante o pôr do sol. Imagem: Captured Blinks/Shutterstock

Outras duas ilhas irmãs e maiores também fazem parte do arquipélago: a Palm Jebel Ali e Palm Feira. Juntas, o trio cobrirá quase 520 quilômetros da costa de Dubai.

Quando e como foi construída?

A Palm Jumeirah é parte de um grande empreendimento chamado “Palm Islands” e cobre 31 quilômetros quadrados, incluindo o tronco principal, 17 ramificações e um muro em semicírculo com aberturas laterais. A ilha artificial fica no Golfo Pérsico e começou a ser construída em junho de 2001. A fase principal das obras foi concluída em 2008. 

O principal desenvolvedor do projeto foi a Nakheel, uma empresa imobiliária agora controlada pelo governo de Dubai. Já o plano foi elaborado pelo Helman Hurley Charvat Peacock, um escritório de arquitetura americano.

A complexidade da construção geou atrasos de quase dois anos na conclusão do projeto. Para erguer a ilha artificial gigantesca, estima-se que a empresa holandesa de dragagem, Van Oord, utilizou 100 milhões de m³ de areia e rocha.

Um monotrilho, o primeiro do Oriente Médio, conecta a Palm Jumeirah ao continente e começou a operar em 30 de abril de 2009. O acesso também inclui uma rede de estradas e túneis. Imagem: Creative Family/Shutterstock

Principais desafios da construção

O projeto original era de uma ilha feita apenas de areia. Apesar de Dubai estar envolvida por grandes desertos, foi necessário dragar milhões de m³ de areia do fundo do mar e criar camadas, até atingir a altura ideal (a areia do deserto era fina demais e poderia comprometer a segurança). 

Também foi preciso construir um enorme quebra-mar em formato de lua crescente para diminuir o impacto das ondas e proteger contra a força do vento. Nesta etapa, foram adicionadas camada de pedras e rochas de até seis toneladas para reforçar a estrutura.

Outra questão resolvida pela tecnologia na construção civil foi o formato, que saiu do papel com perfeição usando imagens de satélite e GPS. Imagem: Andrey_Popov/Shutterstock

Outro desafio era a chance de ocorrer terremotos na região e como isso afetaria a ilha. Para contornar riscos, a areia dragada foi compactada e o solo passou por um processo chamado “vibro-compactação“, que consistiu em mais de 200 mil perfurações usando sondas a 12 metros de profundidade, liberando água e ar em alta pressão, provocando vibração e promovendo a compactação.

Curiosidade sobre a Palm Jumeirah

  • Com 31 km² de extensão, as ilhas custaram US$ 12 bilhões (quase R$ 60 bilhões na cotação atual) e cobrem uma área equivalente a 5,8 mil campos de futebol.
  • A quantidade de pedra e areia usada no projeto poderia erguer um muro de 2 metros que daria 3 vezes a volta ao mundo.
  • Com residências avaliadas em US$ 5 milhões, a ilha tem capacidade de abrigar 65 mil habitantes e já passou um ano sem cair uma única gota de chuva, segundo o The Guardian.
  • A Palm Jumeirah também pode ser vista do espaço a olho nu na Estação Espacial Internacional, que fica a 354 quilômetros da superfície da Terra.

Impacto ambiental das ilhas de Dubai

A Palm Jumeirah é a menor do trio de ilhas artificiais. Curiosamente, o ponto turístico também é uma zona residencial com condomínios de luxo e hotéis à beira-mar. Até 2017, era estimado que mais 10 mil pessoas moravam no local.

Segundo um estudo publicado na revista Water em 2022, a construção gerou efeitos colaterais no meio ambiente, como aumento de materiais solúveis na água e da temperatura da superfície da água ao redor da ilha.

A rápida expansão da cobertura do solo também causou problemas, concluiu um estudo publicado em 2020 pela pesquisadora Virgínia Maria Nogueira de Vasconcellos. A ilha aumentou a dependência de carros para o deslocamento, por exemplo. Da mesma forma, “dificultou a circulação da água do mar, alterando o ecossistema marinho e gerando mau cheiro”. 

“A construção também aumentou a propagação de sedimentos em suspensão, afetando diretamente o meio marinho e a passagem de luz pela água”, reforça a pesquisadora, além de causar erosão nas margens e deixando a área mais vulnerável às mudanças climáticas e aumento do nível do mar.

Possíveis soluções

A gestão ambiental eficiente nas ilhas pode diminuir os impactos ambientais. Novas soluções precisam ser consideradas, como a aplicação de recifes artificiais que podem recriar uma colônia ao redor da área danificada.

Virgínia Maria Nogueira de Vasconcellos, autora do estudo “Vizinhança Sustentável: avaliação da Sustentabilidade da Ilha Palm Jumeirah em Dubai”

Mais especiais