Uma conjunção astronômica extremamente rara, cuja próxima ocorrência é prevista para daqui a 71 anos, vai acontecer nesta terça-feira (12). Trata-se da passagem do 12P/Pons-Brooks – o “Cometa do Diabo” – pela galáxia Andrômeda.

Vamos entender:

  • Andrômeda é a galáxia espiral mais próxima da Via Láctea, localizada a 2,54 milhões de anos-luz de distância do Sistema Solar;
  • O objeto espacial denominado de 12P/Pons-Brooks (12P) é um cometa criovulcânico;
  • Ele é composto de uma concha dura e gelada cheia de gás, poeira e gelo e uma cauda feita do material que vaza do seu interior;
  • Seu apelido “Cometa do Diabo” é devido ao formato de chifre que sua cauda assume quando ele entra em erupção;
  • O cometa tem uma órbita elíptica que dura cerca de 71 anos;
  • Esta semana, ele passa pela galáxia Andrômeda pela primeira vez em mais de sete décadas.
O cometa vulcânico do diabo recebe esse apelido por causa da sua cauda em formato de chifre (Crédito: Comet Chasers/Richard Miles)
O Cometa do Diabo recebe esse apelido por causa da cauda que assume formato de par de chifres quando o corpo criovulcânico entra em erupção. Crédito: Comet Chasers/Richard Miles

Leia mais:

Como assistir à conjunção entre o Cometa do Diabo e Andrômeda

Oferecendo uma oportunidade única para os entusiastas da astronomia testemunharem algo tão especial no céu, o evento terá transmissão online em tempo real pelo Virtual Telescope Project (Projeto Telescópio Virtual), um serviço prestado pelo Observatório Astronômico Bellatrix, com sede em Roma, na Itália, por meio deste link, a partir das 15h30 (pelo horário de Brasília).

publicidade
Galáxia de Andrômeda. Créditos: Marcelo Zurita

Conhecido por sua tonalidade verde e explosões esporádicas, o cometa tem se aproximado do Sistema Solar interno, com previsão de estar mais próximo da Terra em junho. 

Atualmente, ele exibe um brilho verde incomum, indicando altos níveis de dicarbono em sua coma e cauda. Categorizado como um cometa criovulcânico, esse fenômeno celeste é essencialmente um vulcão de gelo que ocasionalmente entra em erupção quando a radiação solar atinge sua superfície, tornando-o mais brilhante e visível na escuridão da noite.