Tem sido cada vez mais importante redobrar a atenção para não cair em golpes. O mais recente deles utiliza um vírus para adulterar os dados bancários na hora da impressão de boletos. Por isso, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) recomenda que, sempre que possível, os usuários paguem as contas diretamente no aplicativo dos bancos, sem a necessidade de imprimir os documentos.

Leia mais

Golpistas estão adulterando dados dos boletos através de vírus (Imagem: Brenda Rocha – Blossom/Shutterstock)

Não imprima os boletos

De acordo com a Febraban, os golpistas conseguem alterar dados como o valor e a conta na qual o dinheiro será depositado. Outra recomendação é solicitar o envio de boletos em PDF, formato mais difícil de ser adulterado. Outra dica é manter sempre um antivírus atualizado.

Muitas quadrilhas usam vírus para adulterar os boletos na hora da impressão. Ele muda os dados do boleto, como valor e a conta na qual o dinheiro será depositado, e entra em ação quando a pessoa imprime o boleto. Para evitar ser vítima desse tipo de golpe, a recomendação é solicitar que o emissor mande o arquivo no formato PDF, bem mais difícil de ser adulterado, e manter sempre um antivírus atualizado.

Federação Brasileira de Bancos

Conferir os dados do banco emissor da conta também pode impedir que a pessoa caia no golpe do falso boleto. Isso acontece porque algumas fraudes podem ser identificadas com facilidade. É o caso de documentos que apresentam logomarca diferente da instituição financeira que emitiu o título.

publicidade

De acordo com a Febraban, o boleto bancário é um dos meios mais usados pelos brasileiros para pagamentos de contas como escolas, academias, condomínios, planos de saúde, consórcios, financiamentos, cartões de crédito, entre outros. Só no ano passado foram 4,2 bilhões de transações com boletos, totalizando R$ 5,8 trilhões. 

É importante redobrar o cuidado para não cair em golpes na hora de pagar boletos (Imagem: Brenda Rocha – Blossom/Shutterstock)

Opção pelo DDA

  • Outra forma de evitar golpes é aderir ao Débito Direto Autorizado (DDA).
  • Ao se cadastrar, o cliente receberá a versão eletrônica de todos os boletos emitidos em nome dele.
  • Como o serviço pega as informações direto da Plataforma Centralizada de Recebíveis, sistema criado em 2018 pela Febraban em parceria com os bancos para registro de títulos de cobrança dentro das normas exigidas pelo Banco Central, não há o risco de o documento ser fraudado por um golpista se fazendo passar por uma loja ou empresa prestadora de serviço.
  • Para aderir ao DDA, o consumidor deve fazer o registro como “pagador eletrônico” na instituição financeira em que tem conta, e, caso haja cobrança em seu nome, a ferramenta permite ao cliente receber o boleto de forma eletrônica, o que facilita o reconhecimento da dívida e, após este reconhecimento, autorizar o débito para o pagamento.
  • O cadastro também pode ser feito pelos canais eletrônicos.
  • Lembrando que o DDA é um serviço diferente do débito automático.
  • Ao aderir ao Débito Direto Autorizado, o cliente autoriza o banco a notificá-lo sempre que um boleto é emitido em seu nome e disponibiliza o documento para pagamento, mas não realiza a operação.
  • No débito automático, o consumidor autoriza a instituição a pagar o título na data de vencimento.