EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A Uber discute com autoridades dos Estados Unidos a possibilidade de realizar entregas de equipamentos de testes para detecção do novo coronavírus, o agente causador da Covid-19

Segundo o site Business Insider, a informação foi revelada pelo Chefe Executivo da Uber, Dara Khosrowshahi, em uma conferência com analistas nesta quinta-feira (19). O propósito da reunião era discutir os impactos da pandemia do novo coronavírus sobre os negócios da empresa. No dia anterior, as ações da companhia atingiram o valor mais baixo da história.

publicidade

A ideia, porém, ainda se encontra em estágio inicial. O Executivo de Finanças da Uber, Nelson Chai, disse ao Business Insider que não há qualquer definição sobre o destino das entregas. Ou seja, se os testes seriam levados a residências, hospitais, centros de pesquisa, entre outras possibilidades.

Além disso, o representante mencionou que a companhia já trabalha em uma parceria com oficiais do governo americano para garantir o abastecimento de itens essenciais no país por meio do Uber Freight – serviço que conecta motoristas de caminhões a empresas que precisam de fretes.

Outras iniciativas

Estas iniciais não seriam as primeiras tomadas pela Uber no enfrentamento à crise da pandemia do novo coronavírus.

Na semana passada, a empresa anunciou a eliminação da taxa de entrega para consumidores que comprarem refeições em restaurantes locais no aplicativo de delivery Uber Eats. O intuito é ajudar pequenos negócios ameaçados pelo baixo movimento em decorrência da suspensão das atividades comerciais em cidades norte-americanas.

publicidade

Já aos motoristas do aplicativo de transporte, a Uber afirmou que vai conceder auxílios financeiros com base na média diária de faturamento dos colaboradores que forem afastados da plataforma por determinação de autoridades governamentais ou da própria empresa.

A pandemia de coronavírus já infectou mais de 222 mil pacientes e provocou mais de 9100 mortes, segundo dados do mapa de monitoramento da pandemia de coronavírus da Universidade de Medicina de Johns Hopkins, nos Estados Unidos. No Brasil, são 529 casos confirmados e sete vítimas da doença. 

Fonte: Business Insider