EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Com a pandemia do coronavírus, muitos cargos de trabalho foram extintos em diversas empresas. Pensando em diminuir o desemprego nos EUA, o presidente Donald Trump suspendeu a emissão de vistos de trabalho no país até o fim de 2020. Agora, empresas do setor de tecnologia, como Apple, Facebook, Microsoft, Twitter e outras 48, se posicionaram contra à medida.

No anúncio da proibição, o presidente americano afirmou que manter a concessão dos vistos “representa uma ameaça significativa às oportunidades de emprego para os americanos afetados pelas extraordinárias perturbações econômicas causadas pelo surto de Covid-19”. Segundo Trump, a medida foi feita para que os americanos desempregados não tivessem que competir com estrangeiros pelos empregos escassos.

publicidade

Agora, as empresas de tecnologia assinaram um documento discordando da medida. Segundo elas, a suspensão dos vistos “prejudica fundamentalmente os interesses dos EUA ao sufocar a capacidade das empresas americanas de atrair os melhores talentos do mundo, impulsionar a inovação e aumentar a prosperidade econômica americana”.

Além disso, elas disseram ter entrado com uma petição que pode, “em última análise, prejudicar os trabalhadores, as empresas e a economia dos EUA de maneira irreparável”.

ReproduçãoMedida foi anunciada em junho e é valida até o final de 2020. Foto: White House/Tia Dufour

 

publicidade

Esta não é a primeira vez que a indústria de tecnologia apoia esforços para combater a proibição de vistos do governo. Em julho, várias gigantes do setor, como Facebook, Google e Microsoft, entraram com um processo contra a regra que forçava estudantes estrangeiros a deixar o país caso suas universidades adotassem aulas online exclusivamente.

No caso atual, além de Apple, Facebook, Microsoft e Twitter, HP, Intel, Dropbox, Netflix, GitHub, PayPal, Reddit e Uber também assinaram o protesto.

Tecnologia sustenta economia dos EUA

O Conselho da Indústria e Tecnologia dos Estados Unidos (ITI) divulgou na última quinta-feira (6) um relatório com dados atuais sobre o crescimento do setor de tecnologia no país, com destaque para a expansão fora dos grandes polos tecnológicos, como Califórnia e Nova York.

No Alabama, as startups representam 16% dos empregos no estado. Em Vermont, as exportações de produtos de tecnologia representam 5,5% da economia, que é uma das regiões que mais geram renda no país. “Há demanda por trabalhadores qualificados, há demanda por financiamento coletivo e até mesmo por startups de alta tecnologia em vários estados do país, não apenas nos estados que possuem os polos tecnológicos” disse o presidente e CEO do ITI, Jason Oxman.

Via: Engadget