EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Cerca de 70 milhões de doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19, desenvolvida pela farmacêutica norte-americana em parceria com o laboratório alemão BioNTech, devem ser disponibilizadas para o Brasil em 2021. A informação vem do Ministério da Saúde que, em nota, afirmou que deve assinar uma carta de intenção de compra ainda nesta semana.

“O governo brasileiro e a Pfizer avançam nas tratativas na intenção de compra de 70 milhões de doses da vacina da Pfizer e BioNTech contra a Covid-19, a ser fornecida em 2021. Os termos já estão bem avançados e devem ser finalizados ainda no início desta semana com a assinatura do memorando de intenção”, informou o ministério, sem se comprometer com uma data definitiva de oferta do imunizante.

publicidade
vacina da pfizer
Vacina desenvolvida pela Pfizer deve chegar ao Brasil em 2021, após Ministério da Saúde anunciar intenção de compra. Imagem: Mike Mareen/Shutterstock

Vale citar que, na última semana, o Ministério da Saúde anunciou as práticas de manutenção das vacinas em processo de aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), revelando uma discrepância com a medicação da Pfizer.

Segundo a pasta, o “preferível” era que as vacinas pudessem ser mantidas em temperaturas de 2º C a 8º C (ou “termoestáveis”, parafraseando o Ministério). O imunizante da farmacêutica americana exige resfriamento a -70º C.

Segundo reportagem veiculada pelo programa Bem Estar, da TV Globo, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Elcio Franco, esteve em reunião com representantes da Pfizer e outros técnicos jurídicos.

Mais além, uma reportagem do jornal Washington Post afirmou que a Pfizer disse ao governo dos Estados Unidos que não poderia fornecer doses adicionais da vacina até julho de 2021, porque “outros países” estavam com pedidos em fila.

publicidade

Vacina da Pfizer de volta à corrida

Com a Pfizer de volta às considerações, o Brasil agora conta com cinco vacinas em processo de aprovação para imunização contra a Covid-19. Em São Paulo, o governo do estado segue em processo de aprovação da CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

O governador João Dória (PSDB-SP) confirmou, no início da semana, que a vacinação no estado deve começar em 25 de janeiro de 2021, mas a vacina ainda não tem aprovação da Anvisa.

Além destas, o Paraná assinou parceria com o governo russo para desenvolvimento local da vacina Sputnik V. No Distrito Federal, a vacina belga produzida pelos laboratórios Janssen está em fase de testes. Finalmente, a vacina da farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford tem a preferência do governo federal e do presidente Jair Bolsonaro.

Bolsonaro, aliás, comunicou em seus perfis nas redes sociais, nesta segunda (7), que “o governo brasileiro ofertará a vacina a toda a população de forma gratuita e não obrigatória”, condicionando a premissa à aprovação técnica da Anvisa. O presidente, porém, não se referiu a nenhuma vacina em específico.

Fonte: G1 / Washington Post