A Tesla reportou nesta quarta-feira (27) os resultados financeiros do quarto trimestre (Q4) de 2020, encerrando o ano fiscal. A empresa entregou 180.570 veículos, teve receita de US$ 10,74 bilhões (R$ 57,8 bilhões) e lucro líquido de US$ 270 milhões (R$ 1,4 bilhão) no período.

O resultado é histórico, já que é a primeira vez que a montadora de Elon Musk encerra um ano com lucro: US$ 31,5 bilhões (R$ 169,5 bilhões) em vendas e US$ 721 milhões (R$ 3,8 bilhões) de lucro líquido. Em comparação, em 2019 a Tesla perdeu US$ 862 milhões (R$ 4,6 bilhões), com vendas de US$ 24,6 bilhões (R$ 133,2 bilhões).

publicidade

Apesar da pandemia, que forçou o fechamento temporário de sua única fábrica nos EUA, a companhia reportou lucro nos três trimestres anteriores. Seu desempenho no mercado fez suas ações se valorizarem 700% no último ano, o que a torna a maior montadora do mundo em valor de mercado.

“Em um horizonte de vários anos, esperamos atingir um crescimento médio anual de 50% nas entregas de veículos”, diz um comunicado da empresa divulgado nesta quarta-feira (27).

Carro sendo montado na fábrica da Tesla em Xangai. Imagem: Reprodução / YouTube

Os resultados foram impulsionados pela venda de “créditos verdes” a montadoras rivais que precisam compensar as emissões de carbono de seus veículos para cumprir as leis de vários países. Nos primeiros três meses deste ano a empresa arrecadou US$ 1,2 bilhões (R$ 6,4 bilhões) nestas vendas. No ano de 2019 inteiro foram US$ 594 milhões (R$ 3,2 bilhões). A empresa também se beneficiou do crescente mercado de veículos elétricos na China, onde instalou uma fábrica em 2019.

Elon Musk, CEO da Tesla, sugeriu que a empresa tem a meta de entregar de 840 mil a 1 milhão de veículos em 2021. Para atingir este objetivo, ela irá inaugurar duas novas fábricas neste ano, uma em Austin, no Texas (EUA) e outra em Berlin (Alemanha). A empresa também pretende colocar no mercado um caminhão e a picape Cybertruck.

Além de bons resultados financeiros, a Tesla também viu a valorização de sua marca no índice Brand Finance Global 500 das marcas mais valiosas do mundo. Na 42ª posição, a empresa ainda está longe da líder Apple, mas foi a que mais rapidamente subiu no ranking, com uma valorização de 158% e valor de marca estimado em US$ 32 bilhões.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!