A Blue Origin, empresa especial fundada pelo bilionário Jeff Bezos, adiou os planos para o primeiro voo do New Glenn, um novo foguete que está desenvolvendo para missões na órbita da Terra.

Originalmente programado para o final de 2021, o lançamento agora irá ocorrer no quarto trimestre de 2022. Um dos motivos para a mudança foi o fato de que o New Glenn não foi selecionado para um contrato com a Força Espacial dos EUA para o lançamento de “missões de segurança nacional”.

publicidade

O contrato se iniciaria no início de 2022, por isso havia pressão para concluir o desenvolvimento e testes antes disso. Mas sem ele, o cronograma foi ajustado para se adequar à demanda dos clientes comerciais da Blue Origin.

Recentemente a empresa postou no Twitter um vídeo onde mostra a fábrica de foguetes que construiu próxima à plataforma de lançamento 36 em Cabo Canaveral, na Flórida, onde o New Glenn está sendo montado. A Blue Origin afirma ter investido US$ 2,5 bilhões em instalações e infraestrutura que irão suportar seus lançamentos no futuro.

Quando pronto, o New Glenn será capaz de colocar uma carga de 45 toneladas em órbita baixa ao redor da Terra, o dobro das 22 toneladas de um Falcon 9 “Full Thrust”, mas menos que as 65 toneladas de um Falcon Heavy.

Em setembro passado a Blue Origin quebrou o recorde de reutilização de foguetes com seu New Shepard, que voou e retornou à Terra sete vezes. Um mês depois, a SpaceX igualou a marca de sua concorrente com o voo de um Falcon 9. 

Vale lembrar que o New Shepard e o Falcon 9 são diferentes: o foguete da Blue Origin foi projetado para voos suborbitais, principalmente voos turísticos, enquanto o Falcon 9 é muito mais poderoso, capaz de colocar carga em várias posições em órbita da Terra e também de levar carga e tripulação à Estação Espacial Internacional.

Fonte: TechCrunch