EnglishPortugueseSpanish

David Berkowitz é um dos assassinos seriais mais infames da história. Conhecido como “Filho de Sam” (“Son of Sam”) ele matou pelo menos seis pessoas e feriu outras sete entre 1976 e 1977, em Nova York. Os crimes, segundo ele, lhe foram ordenados por um demônio que possuiu o cachorro de uma vizinha. Ele foi preso e condenado a seis penas de prisão perpétua.

Na prisão, além de culpar o cão (o satanás e o animal), Berkowitz só confessou dois dos assassinatos – o restante teria sido praticado por uma seita satânica do qual ele faria parte. A possibilidade de Berkowitz não ter agido sozinho é o mote da série documental ‘Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração’, produzida pela Netflix e com estreia prevista para 5 de maio.

publicidade

A produção ganhou seu primeiro trailer nesta quarta-feira (7). Confira:

Dirigida por Joshua Zeman, a série acompanha o trabalho do jornalista Maury Terry, que convencido de que Berkowitz não agiu sozinho, passou décadas tentando provar a existência da tal seita. Com imagens de arquivo, conversas com pessoas próximas da investigação e relatos do próprio Terry, Zeman tenta desvendar se o jornalista está apenas perseguindo fantasmas ou se os verdadeiros Filhos de Sam ainda estão por aí.

Leia também:

Em entrevista para a Rolling Stone, o diretor conta que ouviu falar de Terry e seu trabalho pela primeira vez enquanto fazia seu primeiro filme, ‘Cropsey’, sobre o desaparecimento de crianças em Staten Island. Rumores da época ligavam o caso aos assassinatos do Filho de Sam.

“Originalmente, pensei que os rumores não passavam de pânico satânico (‘satanic panic’, um fenômeno dos anos 1980 e 1990, surgido nos Estados Unidos, que ligou uma série de crimes a supostas seitas satânicas – das quais poucas se provaram verdadeiras), mas mudei de ideia quando dois detetives do NYPD me contaram a história”, disse Zeman.

“Eles disseram que havia muito mais coisas relacionadas ao caso do Filho de Sam do que o público sabia. Eles me indicaram o livro ‘Ultimate Evil’ de Maury Terry – que tanto me fascinou quanto me assustou. Por fim, encontrei Maury e coloquei suas teorias à prova. Para minha surpresa, me peguei considerando seriamente o inimaginável: que Berkowitz não agiu sozinho e que havia outros Filhos de Sam lá fora”, conta o cineasta.

Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração - Fotos da produção. Imagem: Netflix/Divulgação
‘Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração’ resgata imagens da época dos primeiros assassinatos. Imagem: Netflix/Divulgação

Terry faleceu em 2015, ainda obcecado por investigar os assassinatos, e Zeman admite que ele próprio teve medo de cair muito fundo na toca do coelho. “Sabia que poderia facilmente ser eu daqui a 40 anos, mas também por mais que tentasse lutar contra isso, não pude evitar – estava fisgado. Mesmo hoje, é difícil não ficar pensando que talvez este último e-mail ou notícia seja a pista para resolver o caso”, explica.

Para o cineasta, a polícia, a imprensa e até mesmo o público ajudaram na criação do mito do “atirador solitário”. “Você vê esses buracos na investigação começarem a aparecer, nos quais decisões erradas estão sendo tomadas e evidências estão sendo perdidas, a tal ponto que é chocante. E era isso que Maury estava enfrentando – e porque, apesar de todas as evidências que tinha, ele não conseguiu convencer o público de uma narrativa diferente”.

‘Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração’ será uma série de quatro partes, com 60 minutos para cada episódio.

Via: Rolling Stone