A Nasa divulgou na última sexta-feira (2) uma imagem obtida pelo Telescópio Espacial Hubble que revisita a Nebulosa do Véu (Veil Nebula). Nela, novas técnicas de processamento foram aplicadas, trazendo à tona detalhes dos delicados fios e filamentos de gás ionizado da nebulosa.

Para criar esta imagem colorida, foram feitas observações com o instrumento Wide Field Camera 3 do Hubble usando cinco filtros diferentes.

publicidade

Os novos métodos de pós-processamento aprimoraram ainda mais os detalhes das emissões de oxigênio duplamente ionizado (visto em tons de azul), hidrogênio ionizado e nitrogênio ionizado (visto em tons de vermelho).

A “Nebulosa do Véu”, como vista pelo Hubble na imagem reprocessada. Imagem: ESA/Hubble & NASA, Z. Levay

A Nebulosa do Véu fica a cerca de 2.100 anos-luz da Terra, na constelação de Cygnus (o Cisne), o que a torna uma vizinha relativamente próxima em termos astronômicos. Apenas uma pequena parte da nebulosa foi capturada nesta imagem.

A Nebulosa do Véu é a porção visível do Cygnus Loop, um remanescente de supernova formado há cerca de 10.000 anos pela morte de uma estrela massiva. Essa estrela – que tinha 20 vezes a massa do Sol – morreu jovem, terminando sua vida em uma liberação cataclísmica de energia.

Leia mais:

Apesar dessa violência estelar, as ondas de choque e os destroços da supernova esculpiram o delicado rendilhado de gás ionizado da Nebulosa do Véu – criando um cenário de surpreendente beleza astronômica.

A nebulosa do véu também é destaque no Catálogo Caldwell (índice Caldwell 34), uma coleção de objetos astronômicos que foram fotografados pelo Hubble e são visíveis por astrônomos amadores no céu noturno.

Lançado há 30 anos, o telescópio espacial Hubble revolucionou a astronomia e foi essencial, por exemplo, para confirmar a hipótese da ciência sobre a existência de buracos negros no coração de galáxias.

O telescópio ainda contribuiu para cientistas observarem supernovas distantes e encontrarem evidências que o universo pode estar se expandindo em um ritmo de aceleração. Para celebrar o aniversário a agência espacial europeia (ESA) publicou o vídeo acima, no qual relembra as principais conquistas, e imagens, capturadas pelo instrumento.

Fonte: Nasa