EnglishPortugueseSpanish
Convivência “forçada” pelo isolamento social provocado pela pandemia da Covid-19 pode ser um dos motivos para o considerável aumento do número de divórcios no último ano. / Créditos: Thiago Santos – Istockphoto

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que o número de divórcios no Brasil cresceu 75% em cinco anos. Em 2020, entretanto, o total saltou para 7,4 mil separações jurídicas apenas em julho, o que significa um aumento de 260% sobre a média de meses anteriores. Somado à facilidade dos trâmites do processo, que simplificaram muito nos últimos anos, está também o efeito da convivência “forçada” pelo isolamento social provocado pela pandemia da Covid-19. Diante desse cenário, uma empresária de São Paulo criou o site “Idivorciei”, plataforma que oferece soluções e conteúdo para divorciados.

Calila Matos é comunicóloga especialista em negócios, com 15 anos de experiência na comercialização e gestão de projetos on-line. Na vivência pessoal de mãe solo divorciada há quatro anos, a empresária se inspirou para desenvolver um produto voltado para pessoas que atravessam os mesmos problemas que ela enfrentou no processo de separação. “É um mercado para o qual ninguém olha”, acredita a gestora, que encontrou nesse nicho uma excelente oportunidade de negócio.

publicidade
Calila Matos, comunicóloga especialista em negócios, é fundadora do site Idivorciei /
Créditos: Arquivo pessoal

Por meio de vídeos e publicações no site e nas redes sociais da empresa, são oferecidos serviços, informações e produtos específicos para descasados. A startup conta com cerca de trinta parceiros nas áreas de compras, viagens, bem-estar, assessoria financeira, assessoria jurídica, saúde emocional, relacionamentos, moradia e cursos. “A separação sempre esteve na sociedade, mas ninguém quis chamar a responsabilidade para acolher com tantos segmentos. Somos uma startup de impacto social e empreendedorismo feminino e queremos crescer para acolher ainda mais”, afirma Calila.

Leia mais:

Para associar-se comercialmente à plataforma, os interessados fazem um cadastro no site. Após analisado o perfil da empresa, ela passará por uma consultoria para adequação de seu serviço e/ou produto ao perfil do público do “Idivorciei”. Segundo Calila, as dificuldades vão das mais simples às mais complexas. “Marcas e serviços precisam se humanizar, entender que o acolhimento fideliza, que alguém na relação vai sair sem a geladeira, sem fogão, sem carro, que precisam de advogados, de psicólogos e apoio”.

Sozinho? Talvez não por muito tempo

Aproveitar a recém-solteirice pode ser uma opção para aqueles que não pretendem se envolver novamente tão cedo. Mas, para os que estão em busca de um novo companheiro ou, pelo menos, conhecer outras pessoas, o “Idivorciei” apresenta a sessão “Relacionamentos”, que conta com a parceria do “Coroa Metade”. O aplicativo, disponível para todo o Brasil, é exclusivo para quem tem mais de 40 anos.

Na sessão “Bem-estar”, os divorciados contam com profissionais de diversas áreas voltadas à qualidade de vida, como astrologia, estética e um aplicativo que reúne nutricionistas, mentores de meditação, treinadores de atividades físicas, entre outros.

Além dos serviços oferecidos e dos cupons de desconto para compra de produtos, o site também possui um blog com artigos assinados pelos profissionais parceiros, abordando, entre outros assuntos, temas como pensão alimentícia, declaração de imposto de renda, relacionamentos abusivos, empreendedorismo e relação com os filhos.  

Fonte: Folha de S. Paulo

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!