EnglishPortugueseSpanish

Uma nova espécie de aranha foi identificada nos Everglades, região do sul do estado norte-americano da Flórida. O aracnídeo, que se assemelha a uma caranguejeira, tem o nome de Pine Rockland Trapdoor Spider (Ummidia richmond), e é um membro da família das “aranhas alçapão”.

A descoberta da espécie no pântano subtropical teve participação do Zoológico de Miami. O artrópode foi visto pela primeira vez por um tratador do lugar, enquanto verificava armadilhas de pesquisas sobre répteis, no ano de 2012. Ele tirou uma foto e mostrou ao departamento de pesquisa do zoo para identificação, mas o bicho não correspondia a nenhum dos registros existentes das espécies conhecidas na região.

publicidade

Leia mais:

Só dois anos depois que outra aranha do mesmo tipo foi encontrada e enviada a especialistas para avaliação. Até que Rebecca Godwin, do Piedmont College, na Geórgia, pode estudar o animal. Na época, ela estudava esse grupo de aranhas, que são de fato parentes das caranguejeiras.

Godwin também estava realizando classificações detalhadas e descrições de aracnídeos encontrados na América do Norte. Foi assim que ela notou que a aranha encontrada pelo tratador do zoológico não havia sido descrita antes.

Em entrevista ao site do Zoo Miami, o administrador da Conservação e Serviços Veterinários do local, Frank Ridgley, destacou a necessidade de preservar o ecossistema. Afinal, a espécie de aranha foi encontrada em um pedaço de floresta em extinção, no meio da cidade.

“Isso ressalta a importância de preservar esses ecossistemas antes que percamos não só o que já sabemos, mas também o que ainda vamos descobrir”, disse.

Aranha do Everglades, na Flórida
A aranha foi vista pela primeira vez por um tratador do zoológico de Miami. Imagem: Zoo Miami/Divulgação

De acordo com o zoológico, aranhas desse tipo são especialistas em seu habitat. Elas podem viver por décadas ou a vida inteira na mesma toca. Além disso, são algumas das espécies que têm a vida mais longa, vivendo por 25 a 40 anos, em média.

Ridgley ainda acrescentou que o veneno de aranhas de espécies similares à identificada têm componentes com potencial para uso em analgésicos e tratamentos de câncer. Mas, a Pine Rockland pode já estar ameaçada, pois apenas 1,5% de seu habitat ainda resiste no condado Miami-Dade.

“Desenvolvimento, urbanização, limpeza de terras ou qualquer coisa que destrua a camada superficial do solo, tem capacidade de exterminar populações inteiras, especialmente para uma aranha que existe em um pedaço tão pequeno de um habitat ameaçado. Arrisca-se perder a espécie inteira”, disse Rebecca Godwin, em entrevista à CNN.

A descrição completa da nova aranha foi publicada por Godwin no jornal científico ZooKeys.

Via: CNN / Zoo Miami