A Tesla comunicou a um regulador nos Estados Unidos (EUA), que a tecnologia de direção full self-driving (FSD) que está desenvolvendo, capaz de deixar os carros 100% autônomos, pode não ficar pronta até o fim deste ano. As informações são de um memorando do Departamento de Veículos Motorizados da Califórnia (DMV, na singla em inglês). 

CEO da marca de carros elétricos, Elon Musk afirmou durante uma videoconferência de resultados em janeiro que estava “altamente confiante de que o carro seria capaz de andar sozinho e com confiabilidade superior à humana” ainda em 2021.

publicidade

Leia mais:

A Tesla também tem disponibilizado, desde outubro do ano passado, o que descreve como uma versão “beta” da tecnologia totalmente autônoma para um número limitado de funcionários e clientes, e Musk divulgou o recurso no Twitter inúmeras vezes desde então.

“O tuíte de Elon não corresponde à realidade da engenharia de CJ. A Tesla está no nível 2 atualmente”, disse o DMV da Califórnia em um memorando sobre sua videoconferência em 9 de março com representantes da montadora, incluindo o engenheiro de piloto automático C.J. Moore. O “nível 2” se refere a um sistema de direção semiautonômo, ou seja, por mais intuitivo que a tecnologia seja, ainda requer a supervisão de um motorista humano.

O memorando (veja abaixo, na íntegra) foi divulgado pelo grupo de transparência jurídica PlainSite, que o obteve sob a Lei de Liberdade de Informação (FOIA, na singla em inglês).

“A Tesla sinalizou que Elon está exagerando em relação às taxas de melhoria ao falar sobre as capacidades L5. A Tesla não pode afirmar se a taxa de melhoria chegaria a L5 no final do ano civil”, disse o memorando, referindo-se ao nível 5, uma tecnologia que seria 100% autônoma.

“A Tesla indicou que eles ainda estão com certeza em L2”, afirmou o DMV da Califórnia no memorando. “Como a Tesla sabe, o mal-entendido do público sobre os limites da tecnologia e seu uso indevido pode ter consequências trágicas.”

O DMV da Califórnia, a Tesla e Moore não se pronunciaram sobre o assunto até o momento.

Fontes: Reuters e Electrek

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!