Enquanto praticamente toda a indústria automotiva trabalha em formas de eletrificar toda sua gama de veículos, a Porsche adota um caminho um pouco diferente. A subsidiária do Grupo Volkswagen está trabalhando no desenvolvimento de uma nova gasolina que, segundo a marca, tem potencial para ser mais limpa que os veículos elétricos.

A ideia de desenvolver um novo tipo de combustível para ser queimado pode parecer loucura em um cenário que migra cada vez mais para modelos a bateria. Entretanto, a tecnologia da Porsche, que foi batizada de eFuel, tem como objetivo atingir uma redução de até 85% nas emissões de dióxido de carbono.

publicidade

Segundo a montadora, essa é a redução média alcançada por carros elétricos, apesar de esse número variar com base em onde a pessoa mora e qual a fonte utilizada para a geração de energia elétrica.

Leia mais:

De acordo com o CNet, o processo de geração do eFuel usa fontes de energia renovável para quebrar o hidrogênio da água e, em seguida, mover o composto para um processo que resulta em gasolina sintética. A ideia não é exatamente nova, sendo uma modernização de um processo chamado Fischer-Tropsch, que foi criado no início dos anos 1920.

Fábrica no Chile

Para o desenvolvimento dessa tecnologia, a Porsche tem trabalhado em parceria com a petroleira Exxon e com a Siemens Energy para iniciar a produção do eFuel. O combustível será produzido em uma fábrica chamada Haru Oni, que ficará ao lado de um parque eólico, ambos serão inaugurados em 2022 na cidade de Magallanes, no extremo sul do Chile.

Fábrica Haru Oni será inaugurada em 2022 no Chile. Fonte: Divulgação/Porsche

O primeiro lote totalizará em torno de 34 mil galões, mas o número será aumentado para 145 milhões por ano até 2026. O número parece alto, mas é apenas 0,1% do que é consumido apenas nos Estados Unidos em um ano. Em 2020, os americanos queimaram 124 bilhões de galões de gasolina.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!