Nesta quarta-feira (9), o TikTok anunciou que lançará uma campanha contra o bullying junto com seis profissionais de animação digital que compartilham conteúdos na plataforma. O intuito da rede social de vídeos curtos é alertar os usuários sobre as pressões enfrentadas na internet.

A ByteDance afirmou que os criadores selecionados foram os responsáveis por criar a partir do zero as suas campanhas, a fim de deixar claro a perspectiva de cada um deles sobre o combate ao bullying.

@tiktoktips

Before you comment, Stitch or Duet, remember that you never know what someone is going through 👊 #CreateKindness

♬ original sound – TikTok Tips

A diretora de política do TikTok nos EUA, Tara Wadhwa, afirmou ao portal The Verge que a empresa “vê a campanha como parte de sua estratégia de combate ao assédio”. A representante da companhia ainda disse que o TikTok espera quer seus usuários conheçam suas regras, para pensar sobre os problemas quando um vídeo for removido.

Em sua luta contra o assédio, o TikTok disponibilizou em uma de suas atualizações medidas de exclusão de comentários em massa, além de pop-ups que notificam os usuários que forem detectados compartilhando comentários maldosos.

publicidade

A porta-voz da empresa afirmou que entende que as medidas não serão capazes de proteger todos os usuários, mas mostra sobre onde o TikTok quer chegar no combate ao bullying e assédio e que diversas estratégias podem ser utilizadas para isso.

Leia também!

TikTok: nova política de privacidade permite que app colete dados de biometria facial

O TikTok fez uma pequena atualização em sua política de privacidade nos EUA para deixar claro para os usuários que o app pode coletar dados de biometria facial. Na prática, isso não muda muito, já que os dados já eram usados anteriormente. A intenção da plataforma com a mudança é deixar claro que está avisando sobre a coleta.

Isso não chega à toa. Em fevereiro, a ByteDance foi processada em Illinois, nos EUA, após ser acusada de violar as leis de privacidade com a coleta de biometria facial. A chinesa fez um acordo para pagar US$ 91 milhões e concordou que não iria coletar dados biométricos “a menos que seja expressamente divulgado na Política de Privacidade em conformidade com todas as leis aplicáveis”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!