Um bólido explosivo e bastante luminoso foi flagrado nas câmeras do Clima ao Vivo e da BRAMON, a Rede Brasileira de Observação de Meteoros, na madrugada desta quarta-feira (14). O fenômeno foi registrado em 15 câmeras de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Distrito Federal. Confira as imagens:

A passagem do meteoro ocorreu no litoral Sul da Bahia e, segundo análises preliminares da BRAMON, a rocha espacial foi completamente vaporizada na atmosfera. Segundo a BRAMON, que todas as noites registra centenas de meteoros em todo o Brasil, tem se observado um aumento na quantidade de meteoros explosivos nas últimas noites.

publicidade

Leia mais:

O meteoro é um fenômeno luminoso que é gerado quando um fragmento de rocha espacial atinge a atmosfera em alta velocidade, aquecendo e ionizando o gás atmosférico à sua volta. Na maioria dos casos, o calor gerado é tão alto que vaporiza completamente a rocha. Dependendo do tamanho, da velocidade e da composição dessa rocha, o meteoro pode terminar de forma explosiva, e se for mais brilhante que o planeta Vênus, também pode ser chamado de bólido. E nesse caso, o meteoro foi tão luminoso que também foi detectado pelo Satélite Meteorológico GOES-16, a 32 mil quilômetros de distância da Terra.

Flash do meteoro registrado pelo Satélite GOES-16
Flash do meteoro registrado pelo Satélite GOES-16. Fonte: RAMMB/NASA

Outra coisa que chamou atenção nesse bólido registrado no sul da Bahia foi a trilha persistente. Mesmo após a passagem do meteoro, uma trilha ionizada permaneceu brilhando por alguns segundos no céu. No estudo de meteoros esse fenômeno é chamado de “trilha persistente” e é um indicativo da grande energia dissipada na atmosfera.

No final do mês de julho, é esperada a observação de mais meteoros explosivos por conta da chuva de meteoros Alfa Capricornids, que costuma apresentar meteoros assim. O aumento desse tipo de meteoros relatado, pode indicar um possível surto na Alfa Capricornids ou até mesmo uma chuva de meteoros ainda desconhecida. A BRAMON já está analisando os casos para verificar se há alguma relação entre eles.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!