Paul M. Sutter, astrofísico da SUNY Stony Brook e do Flatiron Institute, opinou sobre a possibilidade de terraformar Marte. Ou seja, modificar a atmosfera, temperatura, topografia e ecologia do planeta vermelho para deixá-lo em condições adequadas para suportar um ecossistema com seres vivos da Terra.

“Com suas temperaturas frias, distância do Sol e poeira geral, mudar Marte para ser mais parecido com a Terra é mais desafiador do que parece (e já parece muito difícil)”, disse ele no seu canal no YouTube.

publicidade

Assista:

O autor do livro “How to Die in Space” (Como Morrer no Espaço, na tradução) é taxativo ao dizer que “Marte está vermelho e morto”: “Há bilhões de anos, Marte tinha uma atmosfera densa e rica em carbono, lagos e oceanos de água líquida e provavelmente até nuvens brancas fofas. E isso foi em uma época em que nosso sol era menor e mais fraco, mas ocasionalmente muito mais violento do que é hoje – em outras palavras, nosso sistema solar é um lugar muito mais favorável para a vida agora do que era há 3 bilhões de anos, e ainda assim Marte está vermelho e morto”.

Sutter explica porque, para ele, Marte estava condenado desde o início: “É menor que a Terra, o que significa que esfriou muito mais rápido. O núcleo do nosso planeta ainda está derretido, e aquela bolha giratória de gosma rica em ferro no centro da Terra alimenta nosso forte campo magnético. O campo magnético é um campo de força literal, capaz de parar e desviar o vento solar , que é um fluxo interminável de partículas de alta energia explodindo do Sol”

Leia mais:

“Quando Marte esfriou, seu núcleo se solidificou e seu campo de força magnética foi desligado, expondo sua atmosfera à devastação do vento solar. Ao longo de cerca de 100 milhões de anos, o vento solar destruiu a atmosfera marciana. Quando a pressão do ar caiu para quase vácuo, os oceanos na superfície ferveram e o planeta secou”, completou ele.

Terraformação de Marte

O astrofísico lembra que os humanos, através de séculos de emissões de carbono, aumentaram a temperatura da superfície da Terra por meio de um simples mecanismo de efeito estufa. “Nós bombeamos muito dióxido de carbono, o que é realmente bom em deixar a luz do sol entrar e prevenir a radiação térmica de escapar, então ele age como um cobertor gigante invisível sobre a Terra. O aumento do calor estimula a umidade a deixar os oceanos e brincar como um vapor na atmosfera, o que adiciona sua própria camada de cobertura, somando-se ao aumento da temperatura, que evapora mais água, o que aquece mais o planeta”.

Ilustração de Marte
Ilustração de Marte. Créditos: Shutterstock

Mas se funciona na Terra, talvez possa funcionar em Marte? “Não podemos acessar a atmosfera marciana porque ela está completamente perdida no espaço, mas Marte tem enormes depósitos de gelo de água e dióxido de carbono congelado em suas calotas polares, e alguns mais entrelaçados logo abaixo da superfície em todo o planeta. Se pudéssemos de alguma forma aquecer as calotas, isso poderia liberar carbono suficiente na atmosfera para dar início a uma tendência de aquecimento do efeito estufa. Tudo o que precisamos fazer é relaxar, observar e esperar alguns séculos para que a física faça seu trabalho e transforme Marte em um lugar muito menos desagradável. Infelizmente, essa ideia simples provavelmente não vai funcionar”, afirma Paul M. Sutter.

Ele detalha que há a infeliz constatação de que não há CO2 suficiente preso em Marte para desencadear uma tendência de aquecimento decente: “Atualmente, Marte tem menos de 1% da pressão atmosférica da Terra ao nível do mar. Se você pudesse evaporar todas as moléculas de CO2 e H2O em Marte e colocá-las na atmosfera, o planeta vermelho teria… 2% da pressão do ar na Terra. Você precisaria de duas vezes mais atmosfera para evitar que o suor e a oleosidade da sua pele fervessem, e 10 vezes mais para não precisar de uma roupa pressurizada. Nem vamos falar da falta de oxigênio”.

Imagem de Marte
Imagem de Marte. Créditos: Shutterstock

“Para combater essa falta de gases de efeito estufa facilmente acessíveis, existem algumas propostas radicais. Talvez pudéssemos ter fábricas dedicadas a bombear clorofluorocarbonos, que são um gás de efeito estufa realmente desagradável. Ou talvez pudéssemos introduzir alguns cometas ricos em amônia do sistema solar externo. A própria amônia é um grande cobertor de estufa, e eventualmente se dissocia em nitrogênio inofensivo, que constitui a maior parte de nossa própria atmosfera. Supondo que possamos superar os desafios tecnológicos associados a essas propostas, ainda há um grande obstáculo: a falta de um campo magnético. A menos que protejamos Marte, cada molécula que bombeamos (ou derrubamos) na atmosfera é vulnerável a ser destruída pelo vento solar. Como tentar construir uma pirâmide de areia do deserto, não vai ser fácil”, conta o astrofísico da SUNY Stony Brook e do Flatiron Institute.

Sutter finaliza dizendo que soluções criativas são abundantes: “Talvez pudéssemos construir um eletroímã gigante no espaço para desviar o vento solar. Talvez pudéssemos cercar Marte com um supercondutor, dando a ele uma magnetosfera artificial. Naturalmente, não temos quase a sofisticação para realizar qualquer uma dessas soluções. Poderíamos um dia, possivelmente, terraformar Marte e torná-lo mais hospitaleiro? Claro, é possível – não há nenhuma lei fundamental da física atrapalhando. Mas não prenda a respiração”.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!