O Starliner, o táxi aeroespacial da Boeing, acaba de superar uma nova barreira para conseguir conduzir o seu segundo lançamento de teste com destino à Estação Espacial, marcado para a próxima sexta-feira (30).

Segundo representantes da Nasa e da Boeing, a cápsula foi aprovada nesta quinta-feira (22) no processo de revisão de prontidão de voo para a decolagem, dando início oficial à missão ‘Orbital Flight Test 2’ (OFT-2, ou teste de voo orbital 2 em tradução livre).

publicidade

Como surgiu a cápsula Starliner da Boeing?

A Boeing desenvolveu o Starliner através de um financiamento oferecido pelo programa de tripulação comercial da Nasa, projetado justamente para preparar espaçonaves privadas para exercer as funções da antiga frota de ônibus espaciais no transporte de astronautas.

Em 2014, o programa escolheu a Boeing e a SpaceX para esse trabalho. A companhia de Elon Musk já lançou três missões tripuladas da Nasa para a Estação Espacial. Em contrapartida, a Starliner ainda não está pronta para transportar astronautas. Para isso, é preciso mostrar que a cápsula consegue sobreviver à viagem até a órbita e reentrada na atmosfera com segurança.

A Boeing teve uma primeira oportunidade de testar essa capacidade na missão ‘OFT-1’, lançada em dezembro de 2019. No entanto, a Starliner sofreu com vários problemas durante o voo e não conseguiu se encontrar com a ISS. Duas análises da Nasa referentes à missão ‘OFT-1’ encontraram um total de 80 erros que a Boeing precisava corrigir antes que o Starliner pudesse ser aprovado para voar novamente.

Leia mais:

Durante a revisão de prontidão de voo, as equipes da Boeing e da NASA também se reuniram para avaliar os sistemas da Starliner, além de revisar as operações da missão e funções de suporte e prontidão da ISS para apoiar a ‘OFT-2’.

A missão, programada para ser lançada da Estação de Força Espacial em Cabo Canaveral, na Flórida, vai decolar acoplada ao topo de um foguete Atlas V da United Launch Alliance às 14:53 (horário de Brasília). O retorno à Terra deve ocorrer cerca de seis dias depois.

Fonte: Space

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!