Hoje é sexta-feira 13 e data simbólica pode ser a desculpa ideal para assistir a um filme de terror, não é? Pensando nisso, preparamos uma lista temática, mas a intenção aqui não é exatamente assustar. Pelo contrário, muito provavelmente você vai achar graça desta seleção com os dez piores, toscos, bizarros e inusitados vilões do cinema de horror. Então, esqueça Jason Voorhees e aproveite!

Biscoito de gengibre (‘O Biscoito Assassino’)

Foto mostra vilão do filme, um biscoto de gengibre de aspecto humanoide.
Filme teve duas continuações e também ganhou série em quadrinhos. Crédito: Talos Entertainment/Divulgação

A receita tinha tudo para dar errado, e deu. Da mistura das cinzas de um assassino serial com especiarias em uma massa de biscoito, surge o monstro que aterroriza ‘O Biscoito Assassino’ (2005). Em defesa dos padeiros que prepararam a massa, eles desconheciam o ingrediente macabro presente na mistura utilizada. Coincidentemente, é preparado um típico biscoito de gengibre em forma humana, porém um tanto maior. E, após assado, mais uma coincidência, o biscoitão recebe uma descarga elétrica que lhe dá vida. E, bem, o resto você já pode imaginar.

publicidade

Calça jeans (‘Slaxx’)

Caso extremo do que podemos considerar como uma roupa que não cai bem. ‘Slaxx’ (2020) é o típico representante do filão de filmes de terror com objetos que ganham vida e passam a tirar vidas. No caso, uma calça jeans possuída que passa a perseguir e a matar funcionários de uma empresa do segmento de moda para punir as práticas inadequadas empregadas pela companhia. Talvez a Justiça do Trabalho pudesse resolver o problema, mas a ideia de um jeans vingativo é muito mais atraente.

Preservativo (‘A Camisinha Assassina’)

Imagem mostra espécie de preservativo com dentes
Filme é baseado em HQ do alemão Ralf König. Crédito: MBG/Divulgação

Poderia ser apenas um filme trash calcado em uma premissa estapafúrdia, mas ‘A Camisinha Assassina’ (1996) é também uma narrativa consideravelmente progressista, com um protagonista gay, algo raro até hoje. O inspetor de polícia Luigi Mackeroni (Udo Samel), durante uma noite de prazer com o michê Billy (Marc Richter) é atacado por uma camisinha dentada, que devora parte de sua genital. A criatura é, na verdade, um experimento de um cientista homofóbico que cria preservativos mutantes para mutilar gays.

Coelhinho da Páscoa (‘Bunnyman’)

Imagem mostra homem armado ao lado de uma pessoa fantasiada de Coelho da Páscoa.
Longa é levemente inspirado em lenda urbana norte-americana. Crédito: ANOC Productions/Divulgação

OK, o vilão não é literalmente o Coelhinho da Páscoa, mas um serial killer que resolve se vestir como tal para cometer seus crimes. ‘Bunnyman’ (2011) deveria enveredar para o trash genuíno, mas tenta seguir (e falha nisso) a linha de filmes como ‘O Massacre da Serra Elétrica’. Poderia ser naturalmente engraçado, mas se sai como um slasher bem meia-boca, de evidente baixo orçamento e atuações ruins. A graça, no caso, vem de forma involuntária.

Formigas gigantes (‘O Mundo em Perigo’)

Um verdadeiro clássico, inclusive indicado ao Oscar de Efeitos Especiais, ‘O Mundo em Perigo’ (1954) é também pioneiro, sendo considerado o primeiro longa-metragem a trazer insetos gigantes. Aqui o terror e a ficção científica andam de mãos dadas em uma história que tem como ameaça formigas gigantes modificadas pela radiação. Divertido e visualmente arrojado, ainda traz de bônus a presença de um jovem Leonard Nimoy, o eterno Spock (1931-2015).

Geladeira (‘A Geladeira Diabólica’)

Não apenas a geladeira é capaz de matar, como também é um portal para o inferno. Crédito: Avenue D Films/Divulgação

Quem já passou pela situação de lidar com uma geladeira defeituosa sabe o transtorno que é ficar sem ter como armazenar adequadamente os alimentos. Porém, o problema do eletrodoméstico em questão não está relacionado a falhas de refrigeração ou coisa do tipo. ‘A Geladeira Diabólica’ (1991) do título, aliás, não é simplesmente um aparelho com tendências homicidas, mas também uma espécie de portal para o inferno. É difícil resistir a um plot desses.

Goblins (‘Troll 2’)

Talvez no universo da fantasia os goblins até representem criaturas a serem temidas, mas não dá para levar a sério a presença deles em ‘Troll 2’ (1992). Aliás, nada pode (ou deve) ser levado a sério nessa continuação que é ainda mais precária que o filme original. O longa acompanha a família Waits, que chega a uma pequena cidade habitada por goblins psicóticos. Para quem aprecia tosqueira e absurdo, é um prato cheio.

Palhaços alienígenas (‘Palhaços Assassinos do Espaço Sideral’)

O assassino serial John Wayne Gacy (1942-1994), que se vestia de palhaço para atrair as vítimas, deu significativa contribuição para tornar os icônicos personagens do circo assustadores para muita gente. É dele que veio a inspiração para ‘It’, de Stephen King, adaptado para os cinemas. Menos assustadores são os vilões de ‘Palhaços Assassinos do Espaço Sideral’ (1988), que surgem no local onde um objeto luminoso caiu do espaço. Uma pérola trash.

Pneu (‘Rubber: o Pneu Assassino’)

Foto mostra pneu em primeiro plano e, ao fundo, o que aparenta ser uma pessoa sentada.
História abusa do ridículo para fazer crítica aos excessos do cinema. Crédito: Realitism Films/Divulgação

Os realizadores de ‘Rubber: o Pneu Assassino’ (2010) se mostram plenamente cientes do ridículo de ter como monstro do filme um pneu telepata serial killer que resolve atormentar as rodovidas. Para completar o cenário cheio de esquisitices, o pneu fica obcecado por uma garota. Não por acaso, a comédia de terror vai ao extremo, ao utilizar esse assassino insólito, justamente para fazer graça com o absurdo de outros filmes do gênero.

Tomates (‘O Ataque dos Tomates Assassinos’)

Sucesso do gênero, ‘O Ataque dos Tomates Assassinos’ teve continuações no cinema e até uma série animada. Crédito: Four Square Productions/Divulgação

Outra obra-prima desse filão, ‘O Ataque dos Tomates Assassinos’ (1978) tem referências a ‘Os Pássaros’, de Hitchcock, a ‘Tubarão’, de Spielberg e a outros clássicos do terror. A diferença aqui é que é impossível temer os brutais e implacáveis tomates que resolvem aterrorizar a humanidade. Deu tão certo que gerou as continuações ‘O Retorno dos Tomates Assassinos’ (1988), ‘Corra que os Tomates Vêm Aí’ (1990), ‘Os Tomates Assassinos Comem a França’ (1991).

Leia também: