Uma startup russa criou a resposta a um problema de muitos astrônomos: uma tecnologia que “filtra” encontros com satélites em órbita, como os da Starlink (SpaceX) e outras empresas, dos resultados de observações astronômicas.

O excesso de satélites da plataforma de internet Starlink é uma preocupação de especialistas das ciências espaciais, que posicionam vários argumentos contrários ao projeto, alegando que ele irá distribuir mais lixo no espaço e comprometer missões espaciais e até refletir mais luz do Sol na Terra, “clareando” a noite e aumentando a nossa temperatura média.

publicidade

Leia também

Gráfico mostra tecnologia de startup russa, que bloqueia satélites de serem visualizados em observações astronômicas
Esquema demonstrativo do funcionamento do obturador da Stealth Transit: produto é instalado em telescópios e “fecha” suas lentes quando um satélite passa no caminho delas, preservando dados de observações astronômicas. Imagem: Stealth Transit/Divulgação

Desenvolvida pela empresa Stealth Transit, a novidade, de forma resumida, funciona assim: ela monitora o céu por sinais de satélites excessivamente brilhantes, fechando a lente de um telescópio onde esteja instalada quando este interceptar o campo de visão do que está sendo observado, evitando que o satélite estrague a imagem.

Os criadores do recurso afirmam que ele funciona em campos de visão estreitos e médios, deixando de lado lentes de maior porte porque, normalmente, elas são específicas de telescópios espaciais maiores — como o Hubble —, e para atrapalhá-los, seriam necessários vários satélites ao mesmo tempo passando em seu caminho.

A tecnologia já está em testes por parte do governo russo, que contratou a empresa para instalá-la no Observatório das Montanhas do Cáucaso, em Kislovodsk, sudoeste da Rússia. O telescópio ASA 600 já conta com ela em funcionamento.

“O detector da Stealth Transit reconhece as trajetórias de satélites de baixa órbita terrestre, prevendo com exatidão o tempo de trânsito desses satélites à frente da lente do telescópio”, disse o CEO da empresa, Vlad Pashkovsky. “O nosso obturador então interrompe a exposição da câmera para fazer com que o trânsito do satélite lhe seja invisível”.

No começo do ano, a União Astronômica Internacional (IAU) pediu para que a Organização das Nações Unidas impusesse limites às empresas para proteger a qualidade do céu noturno, mas essas coisas levam tempo.

Segundo Pashkovsky, a solução da Stealth Transit serve como um meio termo que atende tanto aos cientistas quanto às empresas, uma vez que o brilho refletido tem mais a ver com o posicionamento dos satélites entre o Sol e a Terra — mas substâncias que diminuem esse brilho podem estragar mecanismos que façam, por exemplo, a captura de energia solar, diminuindo a vida útil dos artefatos das empresas.

“Reduzir o brilho [dos satélites] vai de encontro com o objetivo de assegurar seu desempenho e longevidade”, disse o CEO. “O uso de coberturas que diminuam o brilho perturba o equilíbrio térmico do satélite e reduz a área de impacto das células solares, privando-os de energia”. O CEO concedeu que, eventualmente, os satélites evoluirão para reduzirem seu brilho por conta própria, à medida em que eles vão ficando cada vez menores. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!