A Microsoft decidiu facilitar a vida dos usuários do Windows 10 tornando mais rápido o processo de verificação de compatibilidade dos seus dispositivos com o Windows 11. O Windows Update, recurso que atualiza automaticamente o sistema operacional, vai emitir uma mensagem na área de notificações dizendo se o computador pode receber o novo sistema ou não.

Além disso, os usuários podem descobrir manualmente a compatibilidade dos dispositivos para o Windows 11 acessando as configurações do computador e, em seguida, o menu Windows Update. Se a nova versão estiver disponível, aparecerá a seguinte mensagem:

publicidade

“Ótimas notícias – seu PC atende aos requisitos mínimos de sistema para Windows 11. O tempo específico para quando ele será oferecido pode variar conforme o preparamos para você”.

Se o sistema não estiver disponível, o Windows também indicará uma mensagem e solicitará uma análise de integridade da máquina para verificação de quais componentes estão faltando para o Windows 11.

Windows Update vai emitir alerta quando computador estiver compatível com Windows 11. Imagem: Olhar Digital
Windows Update vai emitir alerta quando computador estiver compatível com Windows 11

Tecnologia TPM 2.0

Para rodar o Windows 11, a Microsoft passou a exigir requisitos mais rígidos para os computadores, incluindo processadores e placas mãe compatíveis com a tecnologia TPM 2.0 (Trusted Platform Module), que garante protocolos de segurança como a autenticação biométrica de dispositivos, criptografias entre outros.

Esta tecnologia é comum entre laptops mais antigos, mas só passou a ser amplamente adotada em desktops a partir da oitava geração dos processadores Intel, a Coffee Lake, e a partir da série 2000 dos Ryzen, da AMD.

A decisão gerou revoltas, pois existem muitos processadores que não estão na lista e ainda possuem desempenho satisfatório para os usuários.   

Leia mais:

No Brasil, exigências do Windows 11 podem ser um problema

Enquanto as exigências do Windows 11 se mostram benéficas aos fabricantes de processadores, que observarão as vendas aumentarem. No Brasil, a tendência é que a maioria dos usuários acabe ficando para trás, utilizando por um longo tempo o Windows 10. A alta do dólar e a crise de semicondutores na Ásia contribuiu para que estes dispositivos ficassem ainda mais caros.

Processadores de oitava geração da Intel são vendidos a partir de R$ 1000, enquanto a série 2200G da AMD pode ser encontrada em torno de R$ 1500. Já uma placa mãe de entrada compatível com o recurso pode ser adquirida em torno de R$ 500. Com exceção de empresas, profissionais que dependem de atualizações do sistema para trabalhar e gamers com poder aquisitivo elevado, a tendência é que poucos usuários farão upgrade no hardware apenas pela compatibilidade do sistema.

A Microsoft divulgou recentemente que, em breve, computadores que não tiverem a tecnologia TPM 2.0 poderão instalar o Windows 11 por meio de uma cópia ISO do sistema. Apesar disso, alguns recursos e programas não serão compatíveis para quem não tiver a tecnologia. O processo também não é tão simples para quem não está habituado com instalações de sistema e exige o acesso de configurações na Bios do computador.

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!