A Microsoft anunciou esta semana a compra da Clipchamp, uma startup australiana que possui um software de edição de vídeos com mais de 17 milhões de usuários.

A estratégia se alinha ao esforço da companhia de ampliar as suas ofertas no segmento de produtividade. Um dos diferenciais do programa é a sua capacidade de utilizar diferentes recursos de computação.

publicidade

Chris Pratley, vice-presidente corporativo do Office Media Group, descreve que a Clipchamp combina a “simplicidade de um aplicativo web” com a capacidade de editar vídeos combinando o poder bruto de processamento de um PC com a aceleração de uma placa de vídeo (GPU).

Segundo um porta-voz da Microsoft, à medida que a integração avance, a empresa adotará um processo para converter os clientes da Clipchamp em “assinantes Microsoft”.

Microsoft
Microsoft quer ampliar as suas ofertas no segmento de produtividade. Imagem: Michael Vi/Shutterstock

Com adoção em mais de 390 mil empresas (aumento de 54% ano a ano), a Clipchamp afirma que Deloitte, Google, Microsoft e Zendesk estão na lista de empresas que utilizam o seu software.

A startup também relatou um crescimento de 140% em produção de conteúdo na proporção 9:16, que funciona com os stories do Facebook, no Instagram e no TikTok.

Os termos e valores da negociação não foram divulgados pelas empresas.

Leia mais:

O anúncio foi feito três semanas após a Adobe confirmar a aquisição da Frame.io por US$ 1,27 bilhão. O software colaborativo permite que os usuários deixem comentários durante o processo de edição de vídeo.

A plataforma baseada na nuvem, funciona como os softwares de produtividade do Google, por exemplo. Dessa forma, editores de vídeos, revisores e demais envolvidos em uma determinada produção podem trabalhar em conjunto em um determinado projeto.

Por fim, vale ressaltar própria Microsoft já demonstrou interesse nesse segmento antes. Em 2018, a empresa adquiriu a Flipgrid, uma companhia especializada em vídeos para educação.

Créditos da imagem principal: Ken Wolter/Shutterstock

Fonte: Cnbc

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!