Confirmando aquilo que já esperávamos, a Apple revelou hoje (14) uma série de novos produtos para os fãs de sua tecnologia móvel: de novos iPhones, iPads e até um Apple Watch, a Maçã de Cupertino investiu forte nas divulgações e, embora pouco tenha surpreendido, o evento em si não foi livre de novidades.

O Olhar Digital acompanhou a transmissão por inteiro e publicou as novidades conforme elas eram divulgadas, então, para deixar você por dentro de tudo, preparamos um resumo com tudo o que foi mostrado pela Apple. Confira abaixo!

publicidade

Leia também

Quatro novos iPhones

Começando pelos lançamentos que tomaram o maior tempo da transmissão, a Apple revelou hoje quatro novos smartphones – obviamente chamando a linha de produtos de “iPhone 13”. Todos eles vêm com o novo chip A15 Bionic, que promete avanços consideráveis de processamento de tarefas, mas alguns detalhes merecem destaque:

iPhone 13 Mini e iPhone 13

Os dois modelos de base da nova linha de produtos seguem todas as novidades de hardware da Apple, com praticamente nenhuma diferença entre si. O modelo Mini tem tela de 5,4 polegadas, ao passo que seu irmão mais corpudo chega com display 6,1 polegadas. Ambos, porém, seguem o formato OLED com brilho mais intenso, entre 800 e 1200 nits.

Em ambos os casos, as opções começam com armazenamento de 128 GB (ou seja, é o fim da versão de 64 GB). O novo chip A15 Bionic é, segundo a Apple, 50% mais poderoso que a concorrência (embora ela não tenha citado nomes diretamente, Qualcomm), trazendo seis núcleos dedicados ao processamento geral e outros quatro atuando na GPU (processamento de vídeo).

De acordo com a Apple, o iPhone 13 Mini, de 5,4 polegadas, será vendido a partir de R$ 6.599 na versão de 128 GB de armazenamento, R$ 7.599 na versão de 256 GB de armazenamento e R$ 9.599 na versão de 512 GB de armazenamento.

Veja mais detalhes aqui.

iPhone 13 (Imagem: divulgação/Apple)
O novo iPhone 13, e seu irmão caçula, o iPhone 13 Mini: os dois trazem brilho mais intenso na tela OLED, além de recursos de IA para fotos mais inteligentes (Imagem: Apple/Divulgação)

iPhone 13 Pro e Pro Max

Já no campo de alto desempenho do mercado, a Apple revelou as versões Pro e Pro Max do iPhone 13, com telas OLED de 6,1 polegadas (Pro) e 6,7 polegadas (Pro Max). Seguindo um padrão estabelecido nas gerações anteriores, a Apple dedicou a maioria das inovações de recursos móveis aos dois aparelhos topo de linha de sua nova leva de produtos.

Um desses recursos é a gestão na renovação de quadros da tela, que a Apple prometeu ir até 120 Hz. Além disso, outro grande diferencial está nas câmeras. De acordo com a empresa, a linha Pro contará com um kit triplo, sendo a câmera principal uma teleobjetiva de 77 mm com zoom óptico de 3x, além de uma lente grande angular (Ultra Wide) com abertura de foco f/1.8 e uma lente macro para fotos em detalhe.

Além disso, as câmeras dos novos iPhone 13 Pro contarão com modo noturno aprimorado por inteligência artificial, e de acordo com a Apple, o novo sistema de foco automático do iPhone garante melhoria de 92% para ambientes com pouca luz, produzindo imagens mais brilhantes e nítidas.

Ah, sim! Confirmando rumores recentes, o modelo Pro Max contará com versões de até 1 TB de armazenamento interno – algo inédito para o iPhone.

Ambos os modelos chegarão ao mercado norte-americano em 24 de setembro. No Brasil, o iPhone 13 Pro será vendido a partir de R$ 9.499 na versão de 128 GB, R$ 10.499 na versão de 256 GB e R$ 12.499 na versão de 512 GB. Já o iPhone 13 Pro Max chegará ao país por R$ 10.499 na versão de 128 GB, R$ 11.499 na versão de 256 GB e 13.499 na versão de 512 GB. Na configuração de 1 TB de armazenamento, o iPhone 13 Pro custará R$ 14.499, enquanto o iPhone 13 Pro Max custará R4 15.499.

Veja mais detalhes aqui.

O iPhone 13 Pro, que vem em edições normal e Pro Max, com quatro opções de cores metálicas para o usuário escolher (Imagem: Apple/Divulgação)

iPad pequeno, para mentes grandes

O evento também marcou a chegada do novo iPad Mini, que em sua versão 2021 vem com design um pouco mais fino e com algumas alterações. A fim de promover um melhor uso do display de 8,3 polegadas, a Apple moveu o sensor TouchID para o botão de ligar e desligar o aparelho.

Trazendo diversos upgrades, a Apple deu porcentagens bem altas de melhoria de desempenho, afirmando que o iPad Mini é até 40% mais rápido em processamento (cortesia do chip A13 Bionic), e capacidade de vídeo ampliada em 80%. Esse aumento de capacidade parece ser para dar as boas-vindas a uma evolução da neural engine, o motor computacional de machine learning que a Apple aplica em algumas de suas aplicações.

Pela primeira vez na história do tablet da empresa, finalmente, a Apple adicionou suporte à conectividade 5G ao iPad Mini, a fim de facilitar a vida de profissionais que estão sempre em movimento e constantemente se vêem conduzindo videoconferências em locais onde nem sempre o wi-fi será uma opção.

O iPad Mini (2021) entrou hoje em pré-venda nos EUA, com preços a partir de US$ 499.

Veja mais detalhes aqui. 

iPad Mini (2021) (Imagem: divulgação/Apple)
A nova versão do iPad Mini conta até com conexão 5G para facilitar a condução de conferências em vídeo, mesmo para profissionais em movimento (Imagem: Apple/Divulgação)

O principal iPad, renovado

Nem só de “mini tablets” vive a Apple, e a Maçã de Cupertino não decepcionou neste ponto: também anunciada durante a conferência, a nova versão do iPad serviu como principal divulgador das principais novidades de sistema da empresa.

O novo modelo substituirá a versão mais básica do iPad, trazendo tela de 10,2 polegadas e tecnologia de cores True Tone, que ajusta o conteúdo da tela à temperatura de cor de uma sala. Além disso, o novo iPad contará com câmera ultrawide de selfies com 12 MP e sistema aprimorado para chamadas via FaceTime. Segundo a fabricante, a ideia é otimizá-lo para o uso em conferências e aulas por meio de um sistema de autofoco batizado de Center Stage, que acompanha automaticamente os movimentos do usuário – o Center Stage, aliás, também virá no iPad Mini.

A Apple também mostrou uma nova versão de seu chip A13 Bionic, que promete um desempenho adicional para que usuários executem aplicativos e jogos avançados sem se preocupar com gargalos do hardware. A fabricante também destaca a tecnologia de machine learning do processador, que inclui recursos como o Live Text que permite ao usuário identificar textos de imagens e transportá-los para anotações automaticamente.

O novo iPad, equipado de fábrica com o iPadOS 15, chegará ao mercado a partir da próxima semana, com preço de US$ 329, mas organizações estudantis dos EUA poderão adquirí-lo por US$ 299.

Veja mais detalhes aqui.

iPad (2021) (Imagem: divulgação/Apple)
A versão 2021 do iPad traz gestão otimizada de cores, identificação automática de temperatura (que ajusta a intensidade de cor e brilho de acordo com a iluminação do ambiente) e maior poder de processamento (Imagem: Apple/Divulgação)

Novo Apple Watch traz a maior tela de sua linha

Finalmente, a Apple também introduziu a sétima geração do Apple Watch, assegurando que seu novo smartwatch tem a maior tela já implementada pela empresa. Isso porque a empresa, embora não tenha aumentado as medidas físicas do dispositivo, reduziu o tamanho de suas bordas, ampliando o volume de tela e, consequentemente, seu tamanho. A Apple demonstrou isso ao exibir um teclado QWERTY, que você vê em smartphones, tablets e laptops, na tela do smartwatch – o controle disso é feito por gestos.

O novo Apple Watch Series 7 também é mais resistente, e agora conta com proteção contra poeira (IP6X), além de ser à prova d’água (com resistência WR50) e poder ser usado para nadar na piscina como o Series 6, o novo modelo vai além, e permite que você nada com ele na praia. Além disso, o cristal que protege a tela é 50% mais grosso que o do Apple Watch Series 6, sem comprometer a transparência.

Outros recursos já conhecidos foram aprimorados no novo Apple Watch: sensores trazem avaliações biológicas preliminares, desde tirar a medida de oxigenação do seu sangue (algo que tomou imensa importância depois da pandemia da Covid-19) e também um eletrocardiograma que pode ser executado a qualquer momento. Além disso, os sensores de movimento do aparelho seguem inteligentes o suficiente para detectar quedas do usuário.

O novo Apple Watch custa a partir de US$ 399 (lá fora), e o modelo de alumínio tem agora cinco opções de cores, preto, dourado, vermelho, verde escuro e azul. Ela já confirmou que essa nova versão também chegará ao Brasil.

Apple Watch Series 7
O Apple Watch Series 7, com recursos otimizados de uso de tela, sensores aprimorados e novos modos de treino (Imagem: Apple/Divulgação)

E então, o que você achou das novidades da Apple? Nas redes sociais, as opiniões parecem favoráveis, ainda que relativamente divididas. Conte para nós a sua opinião nos comentários abaixo!

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!