Se o diretor de ‘O Gambito da Rainha’ já descartou a possibilidade de uma segunda temporada da série da Netflix sobre a enxadrista Betty Harmon, interpretada por Anya Taylor-Joy, a situação de ‘Mare of Easttown’, do canal HBO, é bem diferente. A atriz Kate Winslet revelou, após receber o prêmio Emmy de Melhor Atriz pelo papel de Mare Sheehan, que há a possibilidade de continuar a produção.

“Tem havido conversas sobre isso, é claro, porque o sucesso da série realmente surpreendeu a todos nós”, disse a atriz, após colocar as mãos no prêmio. ‘Mare of Easttown’ está disponível na plataforma de streaming HBO Max e conta com sete episódios.

publicidade

Leia mais:

A minissérie norte-americana foi criada por Brad Ingelsby. Na produção, Kate Winslet dá vida a Mare, uma detetive dos subúrbios da Filadélfia. Ela investiga o recente assassinato de uma mãe adolescente e está há um ano tentando resolver outro caso de homicídio, o que leva a comunidade a desconfiar de suas habilidades. Além disso, ela enfrenta problemas pessoais pesados.

“As conversas estão acontecendo, mas acho que até que os roteiros estejam prontos, podemos realmente responder e saber o que uma história completa de uma segunda temporada pode ser e para onde vai Mare. Não vamos igualar o que já fizemos, nem devemos tentar, mas devemos fazer pelo menos algo que seja tão cativante e divertido quanto a primeira temporada”, disse a protagonista.

Kate Winslet em 'Mare of Easttown'
Kate Winslet interpreta a detetive Mare Sheehan. Imagem: HBO/Reprodução

Kate Winslet falou ainda sobre como foi interpretar Mare, depois de ser criticada pelo seu corpo em outras audições. A personagem de ‘Mare of Easttown’ aparece comendo bastante fast food e faz uso do vape, um tipo de cigarro eletrônico.

“Me faz sentir que nosso setor está mudando. Sinceramente, estou começando a sentir isso, que as mudanças estão acontecendo. E acho que estamos apontando muito menos para as mulheres em termos de aparência, forma. Paramos de examiná-las. Por sua vez, o que acontece então é que as gerações mais jovens de mulheres, que não fazem parte do nosso setor, também começam a se sentir bem consigo mesmas”, comentou a atriz.

Ela ainda completou. “E isso é mais importante do que qualquer outra coisa. Porque cabe a nós sermos absolutamente reais e nos representarmos com integridade e autenticidade, celebrarmos umas às outras e não nos julgarmos. Se não estivermos fazendo isso em nossa indústria, ninguém mais terá esperança”, concluiu.

Via: Deadline

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!