O showrunner da série ‘Cowboy Bebop‘, André Nemec, garantiu à revista Entertainment Weekly (EW) que o live action da Netflix não pretende de modo algum pretende substituir o anime original. Pelo contrário: ele acalma os puristas e saudosistas afirmando que a ideia é expandir o universo apresentado na produção original.

“Eu prometo que nunca tiraremos o anime original dos puristas. Ele sempre existirá por aí”, declarou Nemec. “Mas estou muito animado com as histórias que estamos contando. Acredito que fizemos um ótimo trabalho em não violar o cânone em nenhuma direção, mas apenas oferecer alguns vislumbres extras do mundo que já foi criado”.

publicidade

Nemec diz que considera ‘Cowboy Bebop’, com estreia marcada na Netflix para o dia 19 de novembro, como “uma expansão do cânone”, na medida em que o programa “adicionará coisas” ao mito original.

cowboy bebop
Daniella Pineda, John Cho e Mustafa Shakir em cena de ‘Cowboy Bebop’. Imagem: NICOLA DOVE/NETFLIX © 2021

“Nós entendemos desde o início quem seriam os personagens do live action”, acrescenta ele. “Acho que a natureza poética do anime permitiu-nos absolutamente explorar a natureza arquetípica dos personagens e cavar histórias mais profundas que queríamos explorar – e responder a algumas das perguntas que o anime deixou para você. Acho que apenas refazer o anime deixaria um público faminto por algo que já viu. O anime fez um trabalho incrível. Não precisamos servir exatamente a mesma refeição. Acho que teria sido decepcionante se o fizéssemos”.

À revista também conversou com John Cho, que dará vida a Spike Spiegel, personagem principal da série. Ele contou que ficou feliz com o resultado da série e, principalmente, com a repercussão positiva em torno do corte de cabelo dele – praticamente semelhante ao protagonista do anime. “O cabelo ostentado é completamente real”, brincou o ator à EW, que revelou ter cultivado as madeixas após se recusar a usar perucas nas gravações.

“Perucas ficam muito perceptíveis para mim”, afirmou Cho. “Eu disse ‘realmente quero que seja meu próprio cabelo’. Foi um pouco estranho deixar crescer, ele passou por umas fases bem estranhas”, contou Cho, que disse também ter ficado impressionado com a resposta ao penteado, que foi parar entre os assuntos mais comentados do Twitter. “Achei que era uma piada, mas fui olhar e realmente estava em destaque. Não conseguia acreditar e não faço ideia do que sentir em relação a isso”.

Leia mais:

De acordo com a Netflix, ‘Cowboy Bebop’ tem como showrunner Nemec, que também atua como produtor executivo ao lado de Jeff Pinkner, Josh Appelbaum e Scott Rosenberg da Midnight Radio, Marty Adelstein e Becky Clements do Tomorrow Studios, Makoto Asanuma, Shin Sasaki e Masayuki Ozaki da Sunrise Inc., Tim Coddington, Tetsu Fujimura, Michael Katleman, Matthew Weinberg e Christopher Yost.

Sobre (o marco cultural que é) ‘Cowboy Bebop’

O anime de 1998 é ambientado em um futuro relativamente distante – o ano de 2071, para ser preciso -, onde um grupo de caçadores de recompensa (referidos pelas autoridades como “Cowboys”) a bordo da espaçonave Bebop caçam criminosos intergalácticos e os capturam com vida para entregá-los às autoridades em troca de recompensa. Na produção, a Terra tornou-se praticamente inabitável, fazendo com que a humanidade colonizasse todos os planetas e corpos rochosos dentro do sistema solar.

Considerada uma das mais influentes da história, a série japonesa foi – e ainda é – sucesso no mundo todo, e tem como marca registrado a mistura de ficção científica com o western, gênero popular do cinema estadunidense clássico, além da famosa trilha sonora de Yono e os debates a respeito de vários conceitos filosóficos.

‘Cowboy Bebop’: John Cho não acreditou na reação dos fãs ao seu visual como Spike. Imagem: KIRSTY GRIFFIN/NETFLIX © 2021

Por tais razões, a animação original – que pode ser vista atualmente na plataforma Funimation – recebeu amplos elogios da crítica especializada, que teceu comentários bastante positivos sobre a qualidade de produção do desenho e sua trilha sonora. Hoje, ‘Cowboy Bebop’ é visto como um clássico cult para os fãs de animes e um marco cultura até os dias de hoje.

Sobre os personagens, John Cho dá vida a Spike Spiegel, o personagem principal da série. Ele é um caubói descolado e peça-chave do grupo que viaja o sistema solar caçando recompensas. Mustafa Shakir é Jet Black, um dos poucos bons e honestos policiais, mas que é traumatizado após uma chocante traição. Já Daniella Pineda interpreta Faye Valentine, uma impetuosa caçadora de recompensas femme fatale que sofreu amnésia após anos congelada.

Na produção da Netflix, além de Cho, Shakir e Pineda, o elenco também conta com Alex Hassell (“The Red Sea Diving Resort”; “Suburbicon: Bem-vindos ao Paraíso”), Elena Satine (“Strange Angel”), Geoff Stults (“Pequenos Incêndios por Toda Parte”, “12 Heróis”), Tamara Tunie (“Black Earth Rising”, “Dietland”), Mason Alexander Park (“Hedwig – Rock, Amor e Traição”), Rachel House (“Thor: Ragnarok”, “Soul”), Ann Truong (“Strikeback!”, “O Alvo 2”) e Hoa Xuanda (“Ronny Chieng: International Student”, “Top of the Lake”).

Fonte: Entertainment Weekly (EW)

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!