Em 2018 o Facebook fez uma grande mudança em seu algoritmo do Feed de Notícias, na época a empresa anunciou que a intenção era favorecer a interação dos usuários com amigos e familiares e reduzir o volume de conteúdo produzido profissionalmente, como por veículos de imprensa. O resultado acabou aumentando a disseminação de postagens sensacionalistas e com discurso de ódio.

A revelação foi feita pelo jornal The Wall Street Journal, que está divulgando uma série de reportagens em um grande vazamento de comunicados internos do Facebook. Os documentos mostram que a alteração no algoritmo fez com que conteúdos polêmicos conseguissem mais engajamento na plataforma do que antes.

publicidade

Segundo o jornal, o executivo-chefe do site do BuzzFeed, Jonah Peretti, enviou um e-mail em 2018 para um funcionário de alto-escalão do Facebook dizendo que as postagens polêmicas do site estavam viralizando com muito mais facilidade do que antes, enquanto outros tipos de publicações que antes iam bem estavam tendo números decepcionantes.

Algoritmo do Facebook

O exemplo citado é o link do BuzzFeed “21 coisas que quase todas as pessoas brancas são culpadas de dizer”. Peretti disse que isso passou a ocorrer após a alteração no algoritmo da rede social e funcionários do Facebook também teriam chegado na mesma conclusão, de que conteúdos sensacionalistas e com ódio conseguiam resultados melhores.

“Nossa abordagem teve efeitos colaterais prejudiciais em partes importantes do conteúdo público, como política e notícias”, escreveu uma equipe de cientistas de dados do Facebook após as reclamações de Peretti. “Esta é uma responsabilidade crescente”, completaram ainda.

Isso ainda seria particularmente importante para campanhas políticas. Partidos políticos europeus também entraram em contato com a rede social. “Muitos partidos, incluindo aqueles que mudaram para o lado negativo, se preocupam com os efeitos de longo prazo sobre a democracia”, diz um dos relatórios.

Lars Backstrom, vice-presidente de engenharia do Facebook, disse em entrevista recente que qualquer mudança no algoritmo de uma rede social está sujeita a uma alteração no tipo de postagem para alguns usuários e que isso é ajustado com o tempo.

“Como qualquer otimização, haverá algumas maneiras de explorá-la ou aproveitá-la. É por isso que temos uma equipe de integridade que está tentando rastreá-los e descobrir como mitigá-los da forma mais eficiente possível”, disse.

Em 2018, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que o objetivo com as mudanças no algoritmo era tornar o tempo que as pessoas passam na rede social mais agradável. Segundo o relatório, isso não foi possível. “Agora, quero ser claro: ao fazer essas mudanças, espero que o tempo que as pessoas passam no Facebook e algumas medidas de engajamento diminuam”, disse Zuckerberg.

“Mas também espero que o tempo que você passa no Facebook seja mais valioso. E se fizermos a coisa certa, acredito que será bom para nossa comunidade e nossos negócios a longo prazo também”, completou.

Ainda segundo os documentos, após as mudanças, uma equipe do Facebook propôs para Zuckerberg algumas alterações para evitar a propagação de conteúdo de ódio e postagens sensacionalistas. O CEO, no entanto, hesitou na implementação com medo de que isso afetasse o engajamento da plataforma. Com o tempo, algumas novas regras foram adotadas para reduzir o impacto do novo algoritmo.

Leia mais:

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!