O prazo de início das restrições para transações noturnas via PIX foi aprovado nesta quinta-feira (23) pelo Banco Central (BC). Agora, os bancos têm até o dia 4 de outubro para estabelecer o limite previsto de R$ 1 mil por operação, que vai valer entre 20:00 e 6:00.

Vale lembrar que a medida vale apenas para pessoas físicas e foi anunciada em agosto pelo BC como estratégia para reduzir os casos de sequestros relâmpagos, em que os criminosos usam o PIX para roubar as contas das vítimas.

publicidade
Bolso com dinheiro e celular mostrando o logotipo do PIX
Limitação para operações via PIX começa a valer em outubro. Imagem: Alison Nunes Calazans/Shutterstock

O limite de R$ 1 mil para operações financeiras noturnas não vale apenas para a plataforma de pagamento instantâneo. As transferências via TED, DOC, pagamentos de boletos e compras com cartões de débitos também vão operar de acordo com essa nova quantia.

É bom ressaltar que os clientes poderão alterar esse limite através dos canais de atendimento dos bancos após o dia 4 de outubro. Por ora, nas próximas semanas, as instituições financeiras deverão oferecer aos clientes uma opção para cadastrar contas que poderão receber transferências acima do teto estabelecido pelo BC.

Ler mais:

Relatório de fraudes

Por fim, o Banco Central também vai obrigar os bancos a criar um registro diário e mensal das ocorrências de fraude nos serviços de pagamento a partir do dia 16 de novembro. A lista também deverá descrever quais medidas foram adotadas para corrigir ou resolver os problemas.

Fonte: Agência Brasil

Uso do PIX no varejo quase dobra no segundo trimestre

Segundo a primeira edição do Estudo PIX Gmattos, conduzido pela consultoria Gmattos, o método de pagamentos digitais registrou um salto considerável no varejo nacional no segundo trimestre de 2021.

Os dados do levantamento apontam que as transações via PIX em lojas que aceitam pagamentos eletrônicos representavam, no primeiro trimestre do ano passado, 1,16% do total de pagamentos com cartões (crédito, débito e pré-pagos). No segundo trimestre, o método já representa 2,16% do volume total dos pagamentos.

Créditos da imagem principal: Brenda Rocha – Blossom/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!