Falta cerca de um ano para as eleições presidenciais de 2022 e o Google está se preparando para conter fake news sobre candidatos e evitar propagandas falsas na plataforma. Nesta sexta-feira (15), a empresa revelou sua nova política de anúncios eleitorais e também alguns projetos para combater a desinformação.

A partir do dia 17 de novembro deste ano, o sistema de verificação para anunciantes que queiram fazer propaganda política vai ser obrigatório e ficará mais rigoroso. O objetivo com isso é divulgar informações sobre que pagou pelo anúncio quando foi pago, em quais plataformas aquilo foi divulgado e quais foram os critérios de segmentação usados.

publicidade

A gigante ainda explica que trabalha com os anunciantes políticos para ajudá-los a entender as novas regras da plataforma e o processo de verificação. Além disso, o Google deve lançar um guia de boas práticas de publicidade digital voltado para as eleições.

Google nas eleições

A empresa ainda vai ajudar a financiar ONS voltadas em capacitar candidaturas políticas de candidatos negros, mulheres, indígenas e da comunidade LGBTQIA+. Cerca de R$ 1,5 milhão deve ser investido na iniciativa.

Para as eleições, o Google ainda vai ampliar suas campanhas de checagem de fatos. “No Brasil, a nossa principal frente tem sido a colaboração com o Comprova, um consórcio jornalístico formado por 33 veículos de imprensa dedicados à verificação do conteúdo que é compartilhado na web”, explica a gigante.

Leia mais!

“Em parceria com a Abraji, por meio da Google News Initiative, apoiamos a criação de um curso gratuito de verificação de conteúdo na internet. Em julho, mais de 3 mil profissionais de jornalismo de 23 estados brasileiros se inscreveram para participar da primeira turma on-line do curso, que deve abrir novas inscrições até abril de 2022”, completou ainda.

O Google ainda vai disponibilizar guias para ajudar os eleitores, explicando os documentos necessários para votação, como votar, onde encontrar os candidatos e outras informações. Aplicativos relevantes como o do TSE também devem ser destacados.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!