O trágico ocorrido no set de ‘Rust’ envolvendo o ator Alec Baldwin, que tirou a vida da Diretora de Fotografia Halyna Hutchins na última quinta-feira (21) após um tiro acidental, levantou um debate sobre o uso de armas cenográficas em produções da TV e do cinema, tanto no mundo como especificamente no Brasil. Afinal, como como funciona o uso desse tipo de instrumento nas filmagens de filmes, séries e novelas?

No País, “para que se tenha armas, mesmo que inoperantes, é necessário porte e registro”, explicou ao Olhar Digital a advogada especialista em criminologia Halyne Marques. “Na tv, cinema e séries, normalmente usam réplicas feitas de borracha que imitam perfeitamente a verdadeira. Várias empresas fazem essas armas. Ou usarão simulacros, armas totalmente inoperantes”, destacou ela, que também tem formação como atriz e já trabalhou em algumas produções.

publicidade

“Nas TVs aqui no Brasil, usam-se armas falsas, réplicas, que são mais leves. No teatro, as que eu usei eram armas que nem ao menos tem o festim, são somente aquela espoleta de pólvora para fazer o barulho do tiro”, detalhou Marques, que comenta ainda que, nos Estados Unidos (EUA), é costumeiramente utilizadas as armas de festim – que é tão potente quanto uma bala comum, porém sem a ponta (projétil) e, normalmente, feita com materiais leves.

armas cenográficas
Como funciona o uso de armas cenográficas em produções no Brasil?. Imagem: Kiattipong/Shutterstock.com

“Lá [nos EUA] são armas reais, e eles tiram as balas e colocam materiais como papel e algodão, sem o projétil. Eu achei que depois do Brandon Lee tivessem mudado isso, mas não”, lamentou a advogada. “Fico chocada que eles não usam [armas falsas] em Hollywood porque ‘não fica tão verdadeiro’. Imagino como a cabeça do Alec Baldwin está agora”.

Quem pode ter uma arma, mesmo cenográfica, no Brasil?

O Brasil tem uma série de normas para definir quem pode possuir e circular com armas de fogo – mesmo inoperantes e com foco em cenografia -, diferenciando a posse do porte. A mais importante delas é a Lei nº 10.826, publicada em dezembro de 2003, que ficou conhecida como Estatuto do Desarmamento.

Atualmente, a lei estabelece critérios para o registro de uma arma de fogo, como ter mais de 25 anos, não ter antecedentes criminais, apresentar atestado psicológico e comprovar aptidão técnica e necessidade de uso.

Ainda segundo o texto, somente podem portar arma (ou seja, sair de casa com a mesma) profissionais de segurança pública, agentes de inteligência, agentes e guardas prisionais, auditores fiscais e agentes de segurança privada em serviço. Os civis, salvo poucas exceções, estão proibidos de portar armas.

Em 2021, do presidente Jair Bolsonaro publicou mais de 30 decretos (que não precisam do aval do Supremo Tribunal Federal) e portarias sobre o tema que facilitam o acesso ao armamento de fogo no país.

No “update presidencial”, foi aumentado de quatro para seis o limite de armas de fogo de uso permitido que um cidadão pode comprar. E, nos casos de determinadas categorias, como policiais, magistrados, membros do Ministério Público e agentes prisionais, há ainda a autorização para a compra de duas armas de uso restrito.

Como armas cenográficas são utilizadas em produções no Brasil?

Moacyr Duarte, especialista em gerenciamento de risco e o responsável na TV Globo por toda a logística de armas nas produções do canal afirmou em entrevista ao programa Encontro com Fátima Bernardes que as armas, de fato, são reais, porém totalmente inoperantes – assim como um simulacro.

“Existe todo um protocolo, desde o momento em que essas armas chegam no set, no local de gravação, até o momento do tiro e do “pós-tiro”. Tudo é checado – desde que a arma foi desmuniciada e toda limpinha – para que, assim, [seja] guardada e levada [às gravações]”, explicou ele, que afirma não entender como o caso envolvendo Baldwin ocorreu e o porquê de os diretores estarem presentes.

tropa de elite
Cena de ‘Tropa de Elite’, filme nacional de 2007. Imagem: Divulgação/Universal Pictures

“O trabalho dos efeitos especiais e da segurança é feito com rechecagem, análise de risco técnica e algumas modelagens matemáticas para interpretar os alcances. A gente testa tudo. Então, quando vamos gravar uma cena que é classificada como “N4″ [nível 4], a gente já testou tudo: o efeito, viu a distância, impacto, temperatura – um processo de [no mínimo] três checagens”, detalhou e garantiu Duarte. “A gente sempre verifica todos os elementos”.

O especialista suspeita, no entanto, que a situação envolvendo a morte da Diretora de Fotografia vinda pelo tiro do ator tenha ocorrido por algum tipo de sabotagem. “Todos os acidentes que vi semelhante estão ligados ao trajeto de armas para o set”, declarou – sugerindo, de certa forma, que a arma cenográfica era, sim, uma arma real e operante.

Duarte ainda revela que, na TV Globo, além de toda a segurança com testes, medições, rechecagens e verificação final do armamento, há também a garantia de que a arma cenográfica de determinada cena só chegue na mão do ator ou atriz “no momento da execução”. “Antes disso, elas estão isoladas no set, separadas. Só os técnicos as manuseiam. Isso é repetido como um checklist de piloto de avião: é igual em toda a situação para que, justamente”, não ocorram falhas.

Ao Olhar Digital, Marques lembra que a lei brasileira, exige que a aquisição, mesmo com réplica ou simulacro de arma de fogo para fins cenográficos, seja feita “apenas para fins de instrução, adestramento ou colecionamento de usuário registrado ou autorizado pelo Exército” – sendo assim tratada de maneira praticamente igual a um armamento real.

Entenda o caso Alec Baldwin

alec baldwin
Alec Baldwin mata cinegrafista acidentalmente com disparo de arma cenográfica. Imagem: Instagram/Reprodução

O acidente que envolveu Alec Baldwin vitimizando a diretora aconteceu em Bonanza Creek Ranch, na cidade de Santa Fé, Novo México (EUA), na última quinta-feira (21). Halyna foi atingida na região do abdômen, mas logo foi transportada de helicóptero para o Hospital da Universidade do México. Todavia, ela não resistiu aos ferimentos.

O diretor do longa, Joel Souza, 48, recebeu alta hospitalar após se ferir da mesma maneira. Quem confirmou a informação foi uma das estrelas do filme ao lado do veterano ator, Frances Fisher.

O disparo teria sido acidental e Baldwin não ficou ferido, conforme informações da revista Variety. “Estamos tentando determinar agora como e que tipo de projétil foi usado na arma de fogo”, disse Juan Rios, porta-voz do Gabinete do Xerife do Condado de Santa Fé. Ninguém foi preso na ocasião, visto que nenhuma das testemunhas incriminou o ator ou outras pessoas envolvidas. Os investigadores, atualmente, trabalham para apurar o que aconteceu.

Leia mais:

O site Deadline ouviu de fontes que o ator principal engatilhou a arma durante um ensaio para o ensaio de uma cena e atingiu os diretores da produção. O set Bonanza Creek Ranch, conhecido por produções de filmes de faroeste, foi prontamente fechado pela polícia.

Um porta-voz de produção da Rust Movie Productions LLC emitiu nota oficial: “Houve um acidente hoje nas filmagens de “Rust”, no Novo México, envolvendo a falha de ignição de uma arma de suporte. Duas pessoas foram levadas ao hospital e estão recebendo cuidados. A produção foi interrompida. A segurança de nosso elenco e equipe continua sendo nossa principal prioridade.”

“Os detetives estão investigando como [a arma foi usada] e que tipo de projétil foi disparado”, disse o Gabinete do Xerife em outro comunicado. “Este incidente continua sendo uma investigação ativa. À medida que mais informações forem disponibilizadas, atualizações serão fornecidas.”

O ator usou as redes sociais para se pronunciar oficialmente sobre o acidente ocorrido e reforçou seu “choque e tristeza”, garantindo que está cooperando com as investigações.

Fontes: TV Globo e Governo Federal

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!