O Edge 20 Pro é o “irmão mais velho” de um trio de smartphones lançado pela Motorola em agosto, com um objetivo bem ambicioso: colocar a empresa de volta no páreo pela conquista dos usuários que desejam um aparelho topo de linha, que não deixe nada a desejar.

Em nossa análise do Edge 20, o “irmão do meio” da família, concluímos que os recursos e preço tornavam o aparelho  “uma boa opção para quem quer um smartphone “top”, sem deixar um rim e parte do fígado no balcão da loja”. O Edge 20 Pro compartilha muitas características com seu irmão, mas tem alguns “extras” que lhe dão um brilho próprio.

publicidade

Vale destacar que, na contramão de concorrentes como a Apple e Samsung, a Motorola entrega o Edge 20 Pro em uma embalagem com “cheirinho de smartphone novo” com um kit de acessórios bem completo, incluindo capa transparente, carregador turbo (30 Watts), cabo USB-C, fones de ouvido USB-C e extrator de SIM Card. Além de recarregar a bateria do smartphone, o cabo USB-C pode ser usado para ligar o Edge 20 Pro a seu smartphone antigo e copiar dados e arquivos durante a configuração inicial, simplificando a migração.

O Motorola Edge 20 Pro e seu kit de acessórios. Imagem: Rafael Rigues / Olhar Digital

O Edge 20 Pro mede os mesmos 16,3 x 7,6 cm do Edge 20, mas é 1 mm mais grosso (com 8 mm de espessura no total) e 22 gramas mais pesado, chegando a 185 gramas. Mas tem a frente e a traseira revestidos por Gorilla Glass 5, contra o Gorilla Glass 3 apenas na frente (e plástico na traseira) de seu irmão.

O design é praticamente o mesmo: vidro plano sobre a tela e laterais retas, com controle de volume e botão liga/desliga (com sensor de impressões digitais) na lateral esquerda, além de um botão para acionar o Google Assistente na direita. A tampa traseira se curva levemente em direção às laterais, e tem um acabamento fosco que, no modelo que testamos (na cor azul), ajuda a esconder impressões digitais e produz um efeito luminoso muito atraente.

Traseira do Motorola Edge 20 Pro. Acabamento fosco tem um “jogo de luz” interessante. Imagem: Rafael Rigues / Olhar Digital

As portas são limitadas a uma USB-C na parte debaixo do aparelho, e não há entrada para fones de ouvido. O Edge 20 Pro é um smartphone Dual-SIM 5G, mas fiquei surpreso ao ver que ele não tem entrada para cartões de memória, nem mesmo sacrificando o espaço para um dos chips em um slot híbrido.

Não que cartões sejam estritamente necessários em um aparelho com 256 GB de memória interna, mas como diz o ditado: “cautela, canja de galinha e espaço em disco não fazem mal a ninguém”. O aparelho tem 12 GB de RAM, mais que muitos PCs em uso por aí. É algo que vem a calhar se você quiser usá-lo como um notebook, usando o recurso ReadyFor.

A tela é o mesmo painel OLED de 6,7″ e resolução de 1080 x 2400 pixels usado no Edge 20, e tem certificação HDR10+. A qualidade de imagem é excelente: além do “preto absoluto” e cores vivas típicos da tecnologia OLED, a certificação HDR10+ garante maior faixa dinâmica na imagem: simplificando bastante, isso significa maior nível de detalhes tanto nas áreas mais escuras quanto nas mais claras da imagem. 

A tela tem atualização a 144 Hz, o que garante movimentação mais suave dos elementos na tela em momentos de muita “ação”, seja ao rolar uma página no navegador web ou jogar seu jogo favorito. Em contrapartida, isso aumenta o consumo de energia.

Tela do Motorola Edge 20 Pro. Painel OLED de 6,7″ com atualização a 144 Hz. Imagem: Rafael Rigues / Olhar Digital

Se desejar, o usuário pode optar por limitar a atualização a 60 Hz (em Configurar / Tela / Avançado / Atualização da tela), à custa de movimentação menos suave. Ou deixar esta opção no modo “Automático”, o que faz o sistema operacional escolher a frequência mais adequada de acordo com o conteúdo exibido.

Leia mais:

Câmeras: dos menores detalhes aos objetos mais distantes

Um dos principais destaques do Edge 20 Pro em relação ao Edge 20 está nas câmeras. À primeira vista, parece tudo igual: sensor principal de 108 MP, telefoto de 8 MP, ultrawide de 16 MP e uma câmera frontal de 32 MP para selfies. 

A diferença está na câmera telefoto: enquanto o Edge 20 tem zoom óptico de 3x, o Edge 20 Pro tem um sensor “periscópico” com zoom óptico de 5x. Combinado ao zoom digital, isso pode chegar a 50x. Obviamente, com a queda na qualidade de imagem típica do zoom digital.

Conjunto de câmeras do Motorola Edge 20 Pro. Imagem: Rafael Rigues / Olhar Digital

Há dez anos uso exclusivamente celulares para fotografar. E inúmeras vezes deixei de registrar um momento ou cena porque a câmera “não chegava” até onde eu queria. Com o Edge 20 Pro, essa limitação desaparece. Você pode até pensar: “zoom no celular? não vou usar isso!”, mas vai mudar de opinião assim que fizer a primeira foto.

De repente, cliques como frutas no topo de uma árvore, um animal arisco, uma pose espontânea de uma criança no meio de uma brincadeira ou mesmo uma grande Lua cheia se tornam não só possíveis, como fáceis. Basta tocar no botão 5x na tela, enquadrar e bater a foto.

Um efeito colateral de fotografar com zoom é que qualquer movimento mínimo de suas mãos é amplificado. Isso é notável a 5x, mas se você quiser fotografar a 50x recomendo o uso de um tripé. Outro problema é que é fácil você se perder no meio da cena ao acionar o zoom.

Mas para isso a Motorola tem uma solução: uma miniatura da imagem aparece no canto superior direito da tela, e uma moldura branca dentro dela destaca a região para onde você está apontando, o que facilita muito a orientação. 

Igualmente impressionante é o modo macro, que usa a lente Ultrawide. Com ele, você pode chegar a até 2 cm de distância de um objeto, e vai descobrir um novo mundo de cores, formas e texturas nos detalhes de coisas que passam normalmente despercebidas no dia-a-dia, como as sementes em um morango silvestre ou um pequeno inseto no centro de uma flor, que você nem enxergou a olho nu quando fez a foto.

Por padrão o Edge 20 Pro combina 9 “pixels” do sensor da câmera (em uma grade de 3×3) em um “super pixel”, o que lhe permite captar mais luz e melhores detalhes. Isso resulta em fotos de 12 MP, que tem excelente qualidade. Mas se quiser, o usuário pode ativar o modo Ultra-Res, que vai produzir fotos em 108 MP.

O modo Pro dá controle completo sobre ajustes como ISO, tempo de exposição, balanço de branco, etc. Também há alguns outros modos divertidos, como o Cinemagraph para fazer animações, e filtros que mudam a aparência da imagem integrados ao aplicativo da câmera.

Quem prefere vídeo poderá gravar em 8k a 24 FPS, ou usar o modo de câmera lenta a até 960 fps em resolução Full HD (1080p). Com isso, as cenas ficam 16 vezes mais lentas do que no mundo real, algo útil para capturar esportes ou as travessuras de um animal de estimação que não para quieto.

Nesse modo, tenho uma reclamação: as imagens são muito escurtas e, em um ambiente iluminado por uma lâmpada LED, foi notável uma oscilação na luminosidade, que se manifesta como uma “faixa” escura se movendo horizontalmente pela imagem. É como se a lâmpada estivesse atrás das pás de um ventilador.

Desempenho e autonomia do Edge 20 pro: não há do que reclamar

Em termos de desempenho, não há o que reclamar. O processador Snapdragon 870 é “pau pra toda obra” e vai dar conta de qualquer tarefa que você imaginar, de redes sociais a jogos pesados: falando neles, o Edge 20 Pro rodou Bloodstained a 60 FPS em qualidade gráfica alta, sem engasgos. Genshin Impact, talvez um dos jogos para smartphone mais pesados na atualidade, também rodou sem problemas na qualidade gráfica alta.

Quando você roda um jogo, um botão transparente surge na lateral esquerda da tela, dando acesso a uma função chamada “Game Time”. Toque no botão para abrir um painel onde você pode desligar notificações, capturar screenshots ou vídeos, controlar o desempenho do aparelho, ajustar o brilho da tela e muito mais, sem sair do jogo.

O Gametime permite capturar imagens ou vídeos, silenciar notificações e ajustar o desempenho do smartphone sem sair do jogo.
Imagem: Rafael Rigues / Olhar Digital

O sistema operacional do Motorola Edge 20 Pro é o Android 11 com poucas modificações, como é de costume nos aparelhos da Motorola. Os tradicionais (e muito úteis) gestos para acionar a lanterna ou câmera estão presentes, e a ferramenta MyUX para personalização das cores, fontes e ícones da interface, vista no Edge 20, também está presente.

Aqui, é importante notar que a Motorola garante duas atualizações de sistema operacional, além de updates bimestrais de segurança, por dois anos. Se o Edge 20 Pro tivesse sido lançado há um ano atrás, isso seria um ponto positivo. Mas hoje em dia concorrentes como a Samsung já estão garantindo atualizações de segurança por quatro anos, algo importante para quem quer proteger o investimento tirando o máximo do aparelho.

My UX: ferramenta permite personalizar cores, fontes e ícones na interface. Imagem: Rafael Rigues / Olhar Digital

Por fim, temos uma das características mais importantes para os usuários: autonomia de bateria. O Edge 20 Pro tem uma bateria de 4.500 mAh e vem acompanhado de um carregador turbo de 30 Watts, capaz de levar a bateria do zero a 64% de carga em apenas 30 minutos, ou dar uma carga completa em cerca de 70 minutos.

Em meu uso típico, que inclui muitas redes sociais com mensagens chegando a toda hora, cerca de 2 horas de navegação na web e pelo menos 1 hora de vídeo diária, a autonomia média foi de mais 16 horas, com cerca de 7 horas de tela ativa, antes do celular dar o alerta de que havia apenas 15% de carga.

Já durante os jogos, o consumo médio foi de 20% por hora (medidos jogando Bloodstained em qualidade gráfica alta a 60 FPS), o que dá cerca de 5 horas de jogo por carga. No geral são bons resultados, mas que obviamente podem variar de acordo com seu padrão de uso.

Vale a compra?

A cerejinha no bolo do Edge 20 Pro é seu preço: R$ 4,499,10 (sugerido pelo fabricante), embora seja possível encontrá-lo por menos no varejo. Mas mesmo com o preço “oficial”, ele é quase R$ 800 mais barato que concorrentes de configuração similar, como o Galaxy S21+ 5G.

Se você procura o “melhor do melhor”, o Motorola Edge 20 Pro é um smartphone que certamente merece ficar nas primeiras posições de sua lista de opções.

Prós do Motorola Edge 20 Pro

  • Vem com kit completo de acessórios
  • Câmeras e desempenho excelentes
  • Mais barato que concorrentes diretos

Contras do Motorola Edge 20 Pro

  • Cenas escuras e muita cintilação da imagem no modo de câmera lenta
  • Sem slot para cartões microSD
  • Duas atualizações de sistema e atualizações de segurança bimestrais garantidas por apenas dois anos

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!