Um estudo publicado na última quarta-feira (3) na revista Nature descobriu que as maiores baleias de nossos oceanos (baleias azuis, jubartes e baleias-fin ou rorquais) consomem muito mais alimento do que se pensava anteriormente. Logo, elas fazem muito mais cocô, consequentemente. Isso, segundo os pesquisadores, tem papel fundamental nos ecossistemas oceânicos.

Pesquisa mostra a importância dos excrementos de baleias para a nutrição oceânica. Imagem: Leigh Torres/OSU Photo – NOAA/NMFS

De acordo com o site Phys, a pesquisa revelou que esses animais ingerem anualmente três vezes mais comida do que o estimado por cientistas até então. Ao subestimar o quanto eles comem, os estudiosos também podem ter subestimado a importância desses gigantes submarinos para a saúde e produtividade dos oceanos.

publicidade

Isso porque as fezes das baleias são uma fonte crucial de nutrientes para os oceanos, segundo a pesquisa liderada por Nicholas Pyenson, curador de fósseis de mamíferos marinhos do Museu Nacional de História Natural, localizado em Washington, nos EUA, e administrado pela Instituição Smithsoniana.

Baleias defecam próximo à superfície, ajudando a manter o fitoplântcon

Ao liberar excrementos nas águas, as baleias ajudam a manter os nutrientes essenciais suspensos perto da superfície, onde podem sustentar o fitoplâncton que absorve carbono e que forma a base das cadeias alimentares dos oceanos. 

Sem as baleias, esses nutrientes vão mais rapidamente para o fundo do mar, o que pode limitar a produtividade em certas partes do oceano e, por sua vez, reduzir a capacidade dos ecossistemas oceânicos de absorver o dióxido de carbono que aquece o planeta.

Essas descobertas chegam em um momento crucial, quando o planeta enfrenta as crises interconectadas da mudança climática global e da perda de biodiversidade. À medida que o planeta se aquece, os oceanos absorvem mais calor e se tornam mais ácidos, ameaçando a sobrevivência das fontes de alimento das quais as baleias precisam. 

Leia mais:

Além disso, muitas espécies de baleias-fin também não se recuperaram da caça industrial desenfreada durante o século 20, com a população permanecendo em uma pequena fração da quantidade anterior à caça às baleias.

“Nossos resultados dizem que se restaurarmos as populações de baleias aos níveis anteriores à caça às baleias vistos no início do século 20, recuperaremos uma grande quantidade de funções perdidas nos ecossistemas oceânicos”, disse Pyenson. “Pode levar algumas décadas para ver o benefício, mas é a mais clara leitura até agora sobre o papel maciço das grandes baleias em nosso planeta”.

Algumas questões biológicas básicas permanecem sem resposta quando se trata das maiores baleias do mundo. O ecologista marinho da Universidade de Stanford Matthew Savoca, um dos colaboradores de Pyenson e principal autor do estudo, se viu confrontado por um desses mistérios remanescentes: quanto as enormes baleias de barbatanas que se alimentam filtrando a água comem a cada dia.

Pesquisadores colocaram marcadores nas baleias para coletar dados precisos

Savoca disse que as melhores estimativas que encontrou em pesquisas anteriores foram suposições informadas por poucas medições reais das espécies em questão. Para decifrar o enigma de quanta comida as baleias de 10 a 12 metros comem, Savoca, Pyenson e uma equipe de cientistas usaram dados de 321 animais marcados, abrangendo sete espécies que vivem nos oceanos Atlântico, Pacífico e Ártico, coletados entre 2010 e 2019.

Segundo Savoca, cada uma dessas marcas, colocadas por sucção nas costas de cada baleia, é como um smartphone em miniatura – equipado com câmera, microfone, GPS e um acelerômetro que rastreia o movimento. 

Pesquisadores usam ventosas para colocar etiquetas rastreadoras de movimento 3D em grandes baleias. Imagem: Goldbogen Lab

As etiquetas monitoram os movimentos das baleias no espaço tridimensional, permitindo que a equipe procure padrões reveladores para descobrir com que frequência os animais assumem comportamentos alimentares.

O conjunto de dados também incluiu fotografias de drones de 105 baleias das sete espécies que foram usadas para medir seus respectivos comprimentos. O comprimento de cada animal poderia então ser usado para criar estimativas precisas de sua massa corporal e do volume de água que filtrava a cada abocanhada. 

Por fim, os membros da equipe envolvida nesse esforço de coleta de dados de quase uma década usaram pequenos barcos equipados com eco-sondas para vigiar os locais onde as baleias estavam se alimentando. As eco-sondas usam ondas sonoras para detectar e medir o tamanho e a densidade de cardumes de krill e outras espécies de presas. 

Essa etapa foi uma base empírica crucial para as estimativas da equipe de quanto alimento as baleias podem estar consumindo.

Ao combinar essas três linhas de evidência – com que frequência as baleias se alimentavam, a quantidade de presas que elas poderiam consumir durante a alimentação e quanto dessas presas estava disponível – os pesquisadores puderam gerar as estimativas mais precisas até o momento de quanto esses gigantescos mamíferos comem por dia e, por extensão, a cada ano.

Um estudo de 2008 estimou que todas as baleias no que é conhecido como Ecossistema Atual da Califórnia, que se estende da Colúmbia Britânica ao México, consumiam de cerca de 2 milhões de toneladas métricas de peixes, krill, zooplâncton e lulas a cada ano. Mas os novos resultados sugerem que as populações de baleias-azuis, rorquais e jubarte que vivem no ecossistema da corrente da Califórnia requerem, cada uma, mais de 2 milhões de toneladas de alimentos anualmente.

Excrementos de baleia garantem ferro no oceano

Para demonstrar como o consumo de mais presas pelas baleias aumenta sua capacidade de reciclar nutrientes essenciais, os pesquisadores também calcularam a quantidade de ferro que toda essa alimentação extra das baleias recircularia na forma de fezes. 

Em muitas partes do oceano, o ferro dissolvido é um nutriente limitante, o que significa que pode haver muitos outros nutrientes essenciais, como nitrogênio ou fósforo, na água, mas a falta de ferro impede a proliferação de fitoplâncton. 

Como as baleias comem muito, elas acabam ingerindo e excretando quantidades substanciais de ferro. Pesquisas anteriores descobriram que o cocô de baleia tem cerca de 10 milhões de vezes a quantidade de ferro encontrada na água do mar da Antártica e, como as baleias respiram, tendem a defecar perto da superfície – exatamente onde o fitoplâncton precisa de nutrientes para ajudar na fotossíntese. 

Usando medições anteriores das concentrações médias de ferro no cocô de baleia, os pesquisadores calcularam que elas reciclam cerca de 1,2 mil toneladas métricas de ferro a cada ano no Oceano Antártico.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!