Nesta quarta-feira (10/11), durante a COP26, empresas automobilísticas importantes como Jaguar Land Rover, Ford, GM, Mercedes-Benz, Volvo e a chinesa BYD assinaram um compromisso de emissão zero até 2040. Entretanto, apesar de meses de negociação, a maioria dos principais nomes, incluindo BMW, Renault, Hyundai Motor, Stellantis, Toyota e Volkswagen, não apoiou o acordo.

Dentro do compromisso, além das fabricantes de automóveis, operadores de frota e mobilidade, investidores e governos se comprometeram a eliminar a venda de veículos novos a combustão (que usam gasolina, diesel, gás natural e híbridos). Junto às montadoras, os principais mercados concordaram em trabalhar para que somente veículos novos com emissão zero sejam vendidos até 2035 ou antes, enquanto que os demais lugares colocaram como prazo o ano de 2040.

publicidade

A LeasePlan, maior empresa de leasing de automóveis do mundo, se juntou ao compromisso, enquanto a Uber também assinou o acordo, se comprometendo a fazer com que toda a sua frota tenha emissões zero até 2030.

EUA e China não assinam o compromisso

Cerca de 30 países estão dentro deste acordo, assinado em Glasgow, na Escócia, na conferência deste ano das Nações Unidas (ONU) sobre mudanças climáticas. O Reino Unido encabeça a lista, que conta também com Canadá, Índia, Países Baixos, Áustria, Noruega, Chile e Dinamarca. O acordo não tem um caráter vinculante, por não ser parte das negociações oficiais da ONU.

Porém, além da ausência das importantes fabricantes de automóveis no compromisso feito na COP26, países importantes não assinaram o acordo. Entre eles, Estados Unidos, China, Alemanha e França. Apesar do Brasil também também não ter aderido ao acordo, a cidade de São Paulo se comprometeu a banir a venda de carros novos com motor a combustão.

Ao acordo, podem somar governos regionais e cidades, que se comprometem a trabalhar para que suas “frotas de automóveis e caminhonetes próprias ou alugadas sejam veículos de zero emissão no mais tardar a partir de 2035”. Segundo o Financial Times, o não apoio da China, da Alemanha e dos Estados Unidos foi um dos principais motivos pelos quais alguns fabricantes de automóveis se recusaram com o compromisso.

Outras empresas de automóveis que assinaram o acordo são: Avera Electric Vehicles, Etrio Automobiles, Gayam Motor Works, Mobi e Quantum Motors. Em um acordo separado, os fabricantes de caminhões na COP26, incluindo a Scania e operadores de frotas, como a DHL, também se comprometeram a fazer com que todos os novos veículos não produzam emissões até 2040.

Atualização 10/11/2021, às 16h: incluída General Motors

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal.