Tim Cook, CEO da Apple, confirmou nesta terça-feira (9) que parte do seu portfólio pessoal de investimentos é composto por criptomoedas. Contudo, diferente de outras big techs, o executivo não planeja incorporar bitcoins e outros criptoativos nas apostas de mercado da empresa de Cupertino.

A declaração foi feita no DealBook Online Summit. Em sua fala, Cook fez questão de indicar que não pretende usar parte da receita da Apple para investir em criptomoedas.

publicidade

Outra afirmação desanimadora para os fãs dos ativos digitais foi que a companhia também não aceitará pagamento em cripto por produtos, pelo menos não a curto prazo. “Não é algo que temos planos imediatos para fazer”, disse.

Fachada de uma Apple Store; Tim Cook investe em criptomoedas, mas não quer associar criptoativos a Apple.
Apple não pretende adotar criptomoedas como forma de pagamento. Imagem: Vividrange/Shutterstock

Quando questionado sobre o investimento em bitcoin, o CEO revelou que “já faz um tempo” que está interessado em criptomoedas. “Estive pesquisando… acho que é interessante”, acrescentou. Essa é a primeira vez que o CEO assume uma posição pública sobre esse tipo de investimento.

Via: Coin Telegraph

Veja também:

Apple deixou a desejar no balanço trimestral

Vale lembrar que a marca da Maçã ocupa atualmente a segunda posição no ranking de empresa mais valiosa do mercado, atrás de sua principal rival, a Microsoft. 

Isso ocorreu pois os lucros da Apple, segundo o balanço divulgado pela empresa para o terceiro trimestre de 2021, deixaram os analistas de Wall Street surpresos.

O mercado esperava que a companhia apresentasse um dos maiores lucros de todos os tempos, o que não aconteceu.

De acordo com Tim Cook, o problema que mais impactou os resultados foram as limitações impostas aos produtos da empresa. “Tivemos um desempenho muito forte apesar das restrições de fornecimento maiores do que o esperado”.

“As restrições de fornecimento foram impulsionadas pela escassez de chips em toda a indústria, sobre a qual muito se falou, e interrupções de fabricação relacionadas ao COVID no Sudeste Asiático”, explicou.

Apesar de não atingir as expectativas, a Apple viu sua receita geral crescer 29% impulsionada pelas vendas de iPhones, que saltaram 47% ano a ano, segundo o relatório fiscal.

Créditos da imagem principal: John Gress Media Inc/Shutterstock

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!