A contagem regressiva para a Black Friday está acabando. Na próxima sexta-feira (26), os consumidores vão poder conferir na prática se valeu a espera pelas promoções de uma das datas mais movimentadas do varejo.

Entretanto, é preciso ficar atento para não acabar se frustrando com o processo de compras. A data, inclusive, ganhou um apelido nada convidativo por aqui: “Black Fraude”. Nome que surgiu justamente por conta das promoções falsas que acabam vindo à tona ao longo do evento.

publicidade

Em seguida, além do problema com os preços, a entrega também pode causar dor de cabeça, com o descumprimento do prazo figurando na lista de reclamações mais frequentes dos consumidores.

Em 2020, mesmo com a pandemia, a Black Friday movimentou R$ 4 bilhões.
Em 2020, mesmo com a pandemia, a Black Friday movimentou R$ 4 bilhões. Imagem: Natee Photo/Shutterstock

A plataforma Reclame Aqui, por exemplo, registrou em 2020 140 mil reclamações relacionadas a Black Friday. Um salto de 15,5%, segundo a empresa.

O problema mais citado foi mercadoria não recebida, respondendo por 22% das reclamações. A propaganda enganosa veio logo em seguida, com 12,61% desse total. O Procon-SP, por sua vez, registrou mais de 1.200 chamados na Black Friday do ano passado.

Veja também

Tudo pela metade do dobro?

Segundo o órgão de defesa do consumidor, a principal reclamação foi justamente as promoções falsas, quando uma determinada empresa aumenta o preço de um produto dias antes da Black Friday e depois o reduz, dando ao consumidor a impressão de um “desconto” mais atraente.

A boa notícia para os compradores, é que o índice de solução dos problemas por parte das empresas cresceu quase 80% (77,2%) se comparado a 2019.

Como reclamar e evitar problemas na Black Friday?

De início, saiba que o Reclame Aqui conta com uma plataforma online na qual os compradores podem registrar sua reclamação. Já o Procon-SP, divulgou que estará de plantão para monitorar e orientar os consumidores na quinta-feira (25) e sexta (26) das 18:00 às 22:00.

Algumas dicas para evitar dores de cabeça na Black Friday são: observe o prazo de entrega e fique de olho na política de trocas; o valor do frete também vale ser observado com cautela. Se for alto demais, o preço final, mesmo com um possível desconto, pode não ser vantajoso. 

Também é importante manter provas, seja com fotos ou capturas de tela, com o nome da loja, data e horário de uma ocorrência. Essa prática pode servir como comprovação no caso de alguma irregularidade.

Por fim, fique atento se há alteração no preço entre o momento que o produto está no carrinho até o pagamento para evitar surpresas.

Veja também nossa lista com dicas importantes para evitar golpes na Black Friday.

Imagem principal: Paper Wings/Shutterstock

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!