O valor gasto com importação de gasolina no Brasil em setembro de 2021 dobrou em relação ao gasto no mesmo período, em 2020. De acordo com levantamento da Logcomex, startup de automação e big data especializada em comércio exterior, o país gastou R$ 62 milhões em setembro de 2020 para adquirir mais de 151 milhões de litros de gasolina.

Já em setembro deste ano, foram comprados 202 milhões de litros a um custo de R$ 137 milhões, o que levou a um aumento de 119% nos gastos para compra de combustível e 33% na quantidade adquirida.

publicidade

Receio de “apagão” energético levou à alta na importação

Segundo a Logcomex, o motivo pelo qual a importação de gasolina dobrou no Brasil foi o receio de um possível desabastecimento de combustível. Para levar a medida a cabo, a Petrobras avaliaram as previsões de consumo, os preços a serem praticados e o nível de estoque de importadores e distribuidores.

No início do mês, o almirante Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, também manifestou sua preocupação em relação ao risco de desabastecimento, em audiência na Comissão de Infraestrutura do Estado. Atualmente, o Brasil importa entre 27% e 30% do GLP (gás liquefeito de petróleo) que consome, 25% do óleo diesel e 6% a 8% da gasolina.

 “A importação leva no mínimo 90 dias”, disse Albuquerque, à época. “E temos uma parcela de mercado, cerca de 20%, que não é da Petrobras.”

Distribuidoras compram da Petrobras para conter custos

Com base neste cenário e a capacidade de refino no limite, a Petrobras elevou as importações de derivados em 116,1% no terceiro trimestre deste ano, em relação ao ano passado. Quando se leva em conta os nove primeiros meses de 2021, a alta chega a 86,3%.

Ainda segundo a pesquisa da Logcomex, por conta do custo, as distribuidoras optaram também por comprar gasolina e diesel da Petrobras em vez de empresas no exterior. A defasagem nos preços chega a 13% na gasolina e 17% no diesel, de acordo com informações da Abicom (Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis).

Imagem principal: Chai UM-IM/Shutterstock

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!