O terceiro de quatro instrumentos do telescópio espacial Hubble foi reativado pela NASA, em sinalização de que o longevo artefato de observação espacial está, mais uma vez, se recuperando de um susto – o segundo neste ano de 2021.

Ao final de outubro, o Hubble entrou novamente em modo de segurança (ele já havia feito isso também em março), o que, segundo a NASA, foi causado por um bug no sistema do telescópio, que forçou todos os instrumentos a entrarem em estado de hibernação.

publicidade

Leia também

Os instrumentos do Hubble vem sendo acionados pela NASA um a um
O Hubble está em missão há 30 anos e, para todos os efeitos, está pertinho da aposentadoria. Entretanto, a NASA ainda investiga causas de problemas eventuais e providencia a manutenção remota do telescópio espacial (Imagem: AleksandrMorrisovich/Shutterstock)

A NASA vem trazendo os instrumentos de volta à atividade normal aos poucos e, ao que parece, tudo vem ocorrendo sem engasgos.

O mais recente – o “COS” (sigla para “Cosmic Origins Spectrograph”) – entrou novamente em funcionamento pleno, juntando-se à Wide Field Camera 3 (WFC3) e à Advanced Camera for Surveys (ACS). Agora, falta apenas o “STIS” (“Space Telescope Imaging Spectrograph”) – este, ainda em modo de recuperação.

Ao que tudo indica, a causa do problema, desta vez, foi “um tipo de mensagem que governa os relógios internos dos instrumentos”, segundo a NASA. O comunicado da agência detalha o problema como “a perda de uma mensagem específica de sincronização” que fez com que todos os instrumentos entrassem em modo de segurança ao mesmo tempo. Isso ocorreu em 23 de outubro, mas um reset do sistema fez com que tudo voltasse ao normal.

Pelo menos, por dois dias. O mesmo erro se repetiu pouco mais de 48 horas depois, novamente desligando os instrumentos do telescópio. Desde então, a NASA vem tentando identificar a fonte do problema para restaurar o funcionamento do que é, hoje, um dos principais observatórios de estrelas e galáxias distantes.

O telescópio espacial Hubble foi originalmente lançado em abril de 1990, pela nave espacial Discovery. Ao longo dos 20 anos seguintes, astronautas do programa faziam visitas periódicas de manutenção, garantindo que o telescópio funcionasse normalmente. Na última década, porém, a NASA desligou o programa de transportes tripulados, efetivamente deixando o Hubble sozinho no espaço e, com exceção dos cuidados feitos remotamente, sem nenhuma manutenção preventiva.

Hoje, o consenso é o de que o telescópio está em seu fim de vida útil, em vias de ser substituído pelo telescópio espacial James Webb, que supostamente tem uma capacidade várias e várias vezes maior. Seu lançamento está previsto para 22 de dezembro de 2021.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!