A Tesla sequer aperfeiçoou o nível 3 do modo FSD (Full Self Driving) e o prosador CEO da montadora, Elon Musk, já promete para 2022 um pulo para o nível 4 do sistema. Nesse degrau de automação, o carro teria um nível de automatização avançada, permitindo até que o motorista pudesse tirar um cochilo enquanto o veículo se move.

Musk deu a declaração durante entrevista ao pesquisador Lex Fridman, na última terça (28). Ele se diz confiante no avanço para o nível 4 pois a tendência é de que, em 2022, a probabilidade do FSD proporcionar um acidente com um Tesla será menor do que a de um ser humano.

publicidade

“E, então, significativamente menor do que a média de um ser humano”, completou Musk. “Então, haverá o caso em que teremos que provar isso para as agências reguladoras. Queremos um padrão que não seja apenas equivalente a um humano, mas muito melhor do que o humano médio. Acho que [o sistema] deve ser pelo menos dois ou três vezes mais seguro do que um humano.”

A bravata de Musk, no entanto, não combina com a vida real. Já há relatos de um acidente sério com pessoas utilizando o modo beta do FSD na Califórnia e há uma investigação aberta pelo NHTSA (Administração Nacional de Segurança Rodoviária) para apurar 23 acidentes com motoristas adotando outro serviço de direção da montadora, o Autopilot.

Gargalo conceitual

Outro problema quanto à promessa de Musk é o gargalo semântico em torno do nome full self driving (“autocondução completa”). Esse título implica recursos que o sistema não fornece e leva o consumidor menos atento a presumir que o carro tenha atingido um patamar tecnológico que, na verdade, a Tesla sequer está ciscando.

Por ora, só para falar no FSD, o sistema da Tesla se encontra no nível 2 de automação, conforme definido pela SAE (Sociedade de Engenheiros Automotivos, na sigla em inglês), em que o veículo consegue acelerar e desacelerar, mas ainda requer a intervenção humana. Para chegar ao nível 4, portanto, falta um passo que a Tesla parece ainda estar longe.

O retrospecto, na verdade, depõe contra a confiabilidade de Musk. Ainda no ano passado, o executivo afirmou em evento em Xangai (China) que a Tesla entregaria carros 100% autônomos no fim de 2020 — o que nunca aconteceu. Isso sem contar a enxurrada de modelos em estado permanente de adiamento, como o supercarro Roadster e a caminhonete Cybertruck.

Via Carbuzz

Imagem: Naresh777/Shutterstock

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!